Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

23
Jun15

A bola agora está do lado dos credores europeus

0,,18495451_303,00.jpg

O dia de ontem foi agitado em Bruxelas. O governo de Atenas apresentou novas propostas e a bola está agora do lado das lideranças europeias, declarou esta segunda-feira o primeiro-ministro grego. Tudo depende da conclusão a que chegarem quem as instituições europeias (Comissão Europeia, do BCE e do FMI).

Alexis Tsipras falava no final da cimeira de emergência dos chefes de Estado e do Governo da zona euro, que decorreu em Bruxelas e que terminou sem um acordo, mas com alguns sinais de esperança. O primeiro-ministro grego estava visivelmente satisfeito e não resistiu a proferir uma frase repetida pelos líderes e ministros das finanças de outros países: «agora a bola está do lado dos líderes europeus».

A proposta grega prevê um saldo excedente orçamental primário de 1% do PIB este ano, 2% em 2016 e 3% em 2017, como defendem os credores.

O plano inclui cortes nas pensões e restrições imediatas nas reformas antecipadas, com poupanças de 60 milhões de euros este ano e de 30 milhões no próximo. Há ainda um aumento das contribuições para as pensões, que se estima gerarem receita mais 350 milhões de euros em 2015 e 800 milhões em 2016, assim como aumento da contribuição para a saúde dos aposentados, de 135 milhões de euros este ano e 510 milhões em 2016. A promessa do Syriza em não penalizar as pensões mais baixas deverá manter-se.

Em matéria de impostos, o governo de Tsipras propõe uma reforma do IVA que geraria receitas na ordem dos 380 milhões de euros já este ano e 1.300 milhões no próximo. As empresas com lucros acima de 500 mil euros pagariam um imposto de 12% e a taxa de IRC seria agravada em 3% no próximo ano, sendo que a estimativa de aumento da receita seria 410 milhões de euros em 2016.