Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

19
Jan16

António Almeida Santos (1926-2016)

almdeia_santos_foto_ricardo_fortunato_054520e3e3.j

Morreu António Almeida Santos, o histórico do partido socialista, a um mês de completar 90 anos. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, começou a sua atividade política em Moçambique, ainda durante o período da ditadura. Integrou o Grupo de Democratas que se opunha à colonização. Em Moçambique representou Humberto Delgado nas eleições presidenciais de 1958.

Com o 25 de Abril regressou a Portugal e foi uma das figuras mais importantes na construção da democracia portuguesa. Desempenhou vários cargos: foi ministro de vários governos e presidente da Assembleia da República. A última vez que tinha tido funções governamentais foi no IX Governo Constitucional, liderado por Mário Soares, onde ocupou o cargo de Ministro de Estado.

Jurista brilhante era atualmente presidente honorário do partido socialista.

De uma entrega total, nunca virava a cara à luta política, estando sempre presente nos momentos importantes da vida do partido. A sua última aparição foi no domingo, ontem participou numa ação de campanha das presidenciais em apoio a Maria de Belém.

Escritor, com vários livros publicados, entre ensaios jurídicos, poesia e obras de História e Política, publicou em 2006 a sua autobiografia (Quase memórias).