Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

14
Mar15

Chega de conversa!

bla-bla.jpeg

«Há expressões feitas para nos salvar e, no entanto, não lhes damos o devido valor. "Chega de conversa" é uma. Quando Passos Coelho, o tal do dedo em riste para o dever dos outros, foi apanhado a não pagar à Segurança Social, deu para uns bons serões de cavaqueira. Que não tinha consciência da obrigação, que quando soube (2012) pagou logo (2015), que houve distração... Foi bom refrescar a memória - ah, aquele discurso da Alta Idade Média (fevereiro de 2014, Congresso do PSD) ouvido séculos depois (hoje), sobre o fardo dos que se esquecem de pagar impostos...

Aprendemos alguma coisa, mas a coisa descambou para o bater no ceguinho, como é tão costume. Injusto, porque o que fizera Passos Coelho eram pecadilhos comparados com os abusos que as notícias nos têm encarregado de nos pôr espantados. E era estúpido, porque quem insistia em prolongar a conversa - para tirar dividendos políticos - esquecia-se de que nesse terreno, o político, estava já marcada a melhor das comissões de inquérito, as eleições legislativas, no outono. Aí, estariam os juízes certos e já suficientemente instruídos sobre o caso. Quer dizer, na verdade não está garantido que esses juízes venham a julgar bem, mas a alternativa qual é: demitir o povo?

Por isso, António Costa esteve certo ao dizer: chega de conversa. Aliás, ele disse-o de forma mais clara, condensando os dois parágrafos que abriram esta crónica: que "está tudo esclarecido" no caso Passos Coelho; e que, agora, "o caso está bem entregue, nas mãos dos portugueses". Mas a solução não livrou Costa de um sequestro desonesto da sua opinião - que ele admitira que Passos se teria explicado bem (quando o que disse é que os portugueses estão aptos a julgar)... E também não o livrou de uma suspeita - que ele tem entre os seus, ou ele próprio, telhados de vidro (o que é legítimo de se pensar de qualquer político). Se ele for pé de salsa, paciência, que procure outra profissão que o livre da opinião pública e dos adversários. Entretanto, fez bem em ter dito: chega de conversa.

Porque isto de deixar arrastar conversas, e ainda por cima com o pretexto de que elas, longas, estão ali para decidir, aborrece. É o que se passa com mais uma das inúmeras comissões parlamentares de inquérito, a do BES, frequentadíssima (120 pessoas a ouvir). Conversas em que a avalancha dos factos só serve para submergir um facto: o que aconteceu? Que esperar do culminar daquilo - uma decisão que nos clarifique - quando as testemunhas e o que testemunham são pazadas para esconder? "Não sei", "não vi"...

E quando alguém expõe uma informação extraordinária, volta-se à conversa baça. Nesta semana, Miguel Frasquilho, ex-deputado, ex-governante, 20 anos de diretor no BES, disse na comissão de inquérito que vendeu as suas ações do banco com perda de 50% em junho de 2014 (quando o banco acabava de fazer um aumento de capital). Mas, o que parecia ser um negócio ruinoso, revelou-se, afinal, dias depois, uma salvação: as ações do BES passaram a valer zero. "Chega de conversa!", deveria ter dito a comissão de inquérito. "O que o senhor, 20 anos de diretor do BES, tinha para dizer sobre o BES já disse: teve uma premonição sobre o fim do BES. Infelizmente, milhares e milhares e milhares de portugueses não a tiveram e não tiveram a sorte de se desfazer das suas ações. Parabéns!" Próximo!, chamava-se pela próxima testemunha e Frasquilho, que tão bem nos elucidara, ficava condenado a não nos fazer perder tempo com o resto. Que não falava com Ricardo Salgado dessas coisas, etc.

Viva o tutano, chega de conversa, deveria ser uma causa nacional. Por falar em programas nacionais, há agora um que se escreve com três letrinhas apenas, bom sinal: VEM. O governo português inspirou-se nos (antigos) gregos e faz um canto de sereia aliciando os nossos Ulisses que partiram. Estendemos e encolhemos o indicador aos emigrantes e sussurramos: VEM... A curteza do VEM (Valorização do Empreendedorismo Emigrante) é bom sinal, é pouca conversa. Sabe-se que houve um ir (300 mil nos últimos anos) e quer--se um voltar. Mas o único número adiantado pelo VEM são 40 projetos para começar. Desilusão, mesmo quando a conversa é pouca, não diz nada... Se é assim, já tenho slogan: "Há mar e pingo de torneira, há ir e voltar."»

«Não venham muitos, diz o governo com carinho»

por FERREIRA FERNANDES, DN