Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

14
Mar16

Justifica-se abastecer o carro em Espanha?

ng6197033.jpg

Os preços de gasóleo e gasolina não param de aumentar. Hoje mesmo voltaram a subir. Em consequência, há uma corrida desenfreada ao país vizinho para abastecer os veículos, o que já motivou até um apelo do ministro da Economia.

A ANAREC estima que sejam mais de cinco mil os veículos ligeiros que diariamente atestam do outro lado da fronteira, segundo fonte do Correio da Manhã. Contas feitas são um milhão de euros por dia que voam dos cofres nacionais.

O anunciado aumento dos combustíveis em 7,5 cêntimos por litro a partir da entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2016 (1 de abril é data prevista) - resultado do agravamento do imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) em seis cêntimos mais o IVA a 23% - vai fazer que os condutores portugueses olhem cada vez mais para o país vizinho como alternativa. Mas será que compensa ir lá atestar o depósito a Espanha? Sim, mas só se estiver num raio de 18,6 quilómetros do posto de gasolina espanhol mais próximo (37,2 km ida e volta) no caso do gasóleo ou a 31 km (62 km com ida e volta) se abastecer o veículo com gasolina, partindo do princípio de que a viagem é feita em autoestrada (custo de 0,09 euros por quilómetro) segundo o DN.

A própria deslocação implica um gasto em combustível e, no caso de se circular nas autoestradas, em portagens e esse custo obviamente tem que ser contabilizado e equivale a 14,5 cêntimos por quilómetro para o gasóleo e 17,8 cêntimos para a gasolina.

Se o percurso escolhido para chegar ao país vizinho evitar as portagens, então a «fronteira fiscal» (limite a partir do qual não compensa percorrer a distância) aumenta para 49,02 km (98,04 com ida e volta) no caso do diesel e 62,50 km (125 km no total) no caso da gasolina.

Será bom ter estes dados em conta, caso contrário não só não se poupa, como se está encher os cofres espanhóis em detrimento dos portugueses.

2 comentários

Comentar post