Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

23
Dez16

NATAL

17863448_tZcaN.png

O Natal é uma festa Cristã. Celebra-se o nascimento de Jesus, Filho de Deus feito Homem que veio ao mundo num lugar inóspito e deu a vida para nos salvar. Para os crentes esta é, sem dúvida, a comemoração mais importante, juntamente com a Páscoa, da igreja católica.

 

Porém, fruto de novos tempos, o excesso de consumismo e as comemorações importadas dos EUA impuseram-se e levaram a que os valores tradicionais, culturais e religiosas se modificassem, com consequências na fé e nos hábitos de consumo. Natal passou a ser sinónimo de glamour, presentes, comezainas, iguarias sofisticadas, mesas de consoada para impressionar, ruído verdadeiramente ensurdecedor da publicidade, luzinhas, bugigangas, artefactos e tantas outras coisas. O politicamente correto é o que comunicação social constrói para nos vender como verdade. É esta a mensagem que passa.

 

O foco nesta época do ano passou a estar voltado para a vertente comercial e para o consumo desenfreado. E impossível não parar e refletir: até que ponto vale a pena tudo isto? Até que ponto vale a pena arriscar sonhos, sorrisos e felicidade em coisas materiais, efémeras? Vale a pena gastar todo o dinheiro, que se tem e que não se tem, em presentes que fazem sentido apenas naquele momento? É isso que representa o espírito de Natal, de amor e união? Vale a pena o sentimento posterior de angústia e preocupação de não ter dinheiro para honrar compromissos, apenas para desfrutar daqueles momentos de “felicidade”?

 

O espírito de Natal é o de ajudar aqueles que mais necessitam, lembrando de quem está longe e de quem está perto, de quem já não está entre nós. É o tempo de partilhar alegria, de dar e receber carinho e amizade. A magia do Natal está nas atitudes, no carinho, num sorriso, em pequenos gestos.

 

Que o Espirito e a Luz do Natal consigam iluminar todos os corações ao longo de todos os dias do ano.

1 comentário

Comentar post