Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

03
Dez15

O Pai Natal chegou mais cedo ao Estádio da Luz

árvore de natal benfica slb.jpg

A NOS assinou com o Benfica um contrato de cessão de direitos de transmissão televisiva dos jogos no Estádio da Luz para a I Liga, bem como dos direitos de transmissão e distribuição do canal Benfica TV.

O contrato terá início na época 2016/2017 como uma duração de três anos, podendo ser renovado por decisão de qualquer das partes até 10 épocas desportivas, ascendendo a contrapartida financeira global ao montante de 400 milhões euros, segundo o comunicado da NOS enviado à CMVM.

Por enquanto, ainda não se desconhece se os jogos do Benfica na Luz serão transmitidos em exclusivo pela NOS, ou se poderão ser negociados com a MEO ou com a Vodafone, à semelhança do que acontece atualmente com a Sport TV. Não foi igualmente esclarecido se os jogos serão emitidos em canal aberto ou se serão pagos. A mesma dúvida se coloca em relação ao canal Benfica TV.

A conclusão deste negócio constitui uma vitória indiscutível para a estratégia delineada pela atual gestão do SLB e de Luís Filipe Vieira. Parece-me inegável que 40 milhões por época é um bom negócio.  Desde logo, pelo encaixe financeiro. O Benfica conquistou pontos, pois conseguiu valorizar os conteúdos ao perceber que o futuro não estava nos canais mas sim nas operadoras. Mas se isto se afigura um maná para o clube da Luz o mesmo não se poderá dizer para todos aqueles que gostam de ver jogos de futebol. Caso os jogos sejam transmitidos por diversos operadores, ao invés de poderem ser vistos numa única plataforma, comercialmente, será uma solução desastrosa. Porque uma coisa é pagar a mensalidade da Sport TV e a da Benfica TV para os adeptos poderem ver os jogos do seu clube, outra completamente diferente é a hipótese de alguns clubes assinarem com a NOS, outros com a MEO e outros ainda com a Vodafone. Porque sejamos claros, ninguém terá mais de um operador de TV e nessa medida poderá vir a representar também uma perda para o verdadeiro adepto do futebol.

Mas este negócio também constitui uma derrota para os benfiquistas. É que as transmissões dos jogos do Benfica voltam à Sport TV. Não nos esqueçamos, que a Nos não é de Joaquim Oliveira (ainda que este seja administrador não executivo da operadora), mas tem 50 por cento da Sport TV, cujo capital partilha com a Controlinveste. Ora para quem andou tanto tempo a pregar contra este império, como fizeram os benfiquistas, este contrato é claramente uma cedência.