Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

24
Jul17

Os livros de Enid Blyton

images3A3AB9Y3.jpg

 

Comemora-se neste mês 75 anos da primeira aventura de “Os Cinco” contada por Enid Blyton, provavelmente a escritora mais popular em todo o mundo.

 

O primeiro livro, datado de 1942, foi Os cinco na Ilha do Tesouro, depois mais 20 se seguiram desta coleção. Sucessivas gerações de leitores foram influenciadas por este grupo de duas rapazes, duas raparigas e um cão, cujas histórias, depois de muitas adversidades, acabavam sempre bem.

 

A Biblioteca Nacional, em Lisboa, em jeito de comemoração, inaugura, hoje, uma mostra bibliográfica que celebra simultaneamente o 75.º aniversário das primeiras aventuras da série “Os Cinco” e os 120 anos do nascimento de Enid Blyton (1897-1968).

 

O meu primeiro contacto com a literatura aconteceu graças a Enid Blyton. Antes dos “Os Cinco” e “Os Sete” eu desconhecia o prazer de ler, porque quem lê um livro desta autora e gosta não pode parar de ler a coleção inteira. Li depois "As Gémeas" e a coleção "Mistério".

 

Os livros de Enid Blyton estimulavam a nossa imaginação e transportavam-nos para um mundo de fantasia e de faz de conta. Recordo bem a avidez com que devorava “Os Cinco” e “Os Sete” e ainda me lembro da descrição daqueles deliciosos lanches que o grupo levava para as suas aventuras, onde não faltava a limonada e o bolo de frutas e lembro-me do suspense que aquelas narrativas produziam em mim, na ânsia de ver os heróis salvos e os vilões castigados.

 

Sem dúvida que Enid Blyton marcou a minha infância e, mais importante ainda, foi a responsável pelo meu gosto pela leitura.

 

Os livros de Enid Blyton sobrevivem até hoje. Adaptados aos novos tempos, continuam a animar várias gerações, atravessando fronteiras linguísticas, geográficas e culturais.

 

Os anos passam, mas a fórmula de Enid Blyton, essa, mantém-se inalterável, como uma marca firme que perdurará para sempre.