Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

22.04.15

Pesada derrota em Munique

SCYHSGW8.png

Só um FC Porto quase perfeito em todos os momentos da partida, poderia ambicionar discutir a eliminatória no Allianz Arena. E, infelizmente, esse FC Porto ontem não apareceu. Sabíamos de antemão que o jogo de ontem não ia ser fácil e que os alemães eram favoritos para garantir o apuramento para as meias-finais, mas perder por 6-1 era inimaginável.

Os bávaros assumiram a iniciativa do jogo desde os primeiros minutos. Forçados a correr atrás do prejuízo, empurraram os azuis e brancos para o seu meio-campo e o FC Porto foi literalmente massacrado durante 27 minutos, momento em que os alemães chegaram ao 3-0. Sem capacidade de controlo das operações e desfalecidos no plano emocional, os portistas sofreram outros dois golos antes do intervalo que tardava em chegar. No fim da primeira parte o marcador assinalava 5-0 a favor do Bayern.

Depois, na minha perspetiva, o treinador do FC Porto abordou mal o jogo. Face às ausências de Danilo e Alex Sandro, titulares habituais, afastados por castigo, Lopetegui foi forçado a fazer adaptações na defesa. Diego Reis e Martins Indy ocuparam esses lugares, sendo que Reis foi um flop. Aos 33 minutos, Lopetegui, reconhecendo o erro, troco-o por Ricardo Pereira.

Para a segunda parte e certamente já a pensar no jogo do próximo domingo, Lopetegui fez descansar Quaresma e lançou para o seu lugar Rúben Neves, alterando o sistema tático (colocou Maicon, Casemiro e Marcano na defesa). Surpreendentemente, a segunda metade do jogo foi bastante melhor que a primeira. Os portistas conseguiram maior eficácia: trocar melhor a bola no meio campo adversário e chegar com maior perigo à baliza de Manuel Neuer.

A ganhar por 5-0 o Bayern sentiu que a eliminatória estava ganha e baixou o ritmo de jogo. Nessa fase o FC Porto aproveitou e reduziu por Jackson Martinez, ficando a dois golos do apuramento. É evidente que marcar dois golos em Munique com o ascendente germânico em alta era quase impossível, mas a verdade é que logo depois Jackson ficou a centímetros de voltar a marcar e reabrir de novo a eliminatória.

O Bayern apercebendo-se disso voltou a carregar. Após a expulsão de Marcano, acabou mesmo por fazer o sexto golo, num livre direto, superiormente batido por Xabi Alonso e acabou com o jogo, para desilusão de milhões de Portistas por esse mundo fora que viram o sonho europeu ontem esfumar-se em Munique.

Foi, sem dúvida, uma pesada derrota que poderá ter repercussões no jogo de domingo, na Luz, frente ao Benfica.