Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

04
Out16

Quando o jornalismo estraga um bom mistério ...

ferrante.jpg

Elena Ferrante é um pseudónimo de uma escritora italiana, cujo livro mais conhecido é «A Amiga Genial» que li estas férias, cuja história centra-se à volta de duas crianças, Elena e Lila,  de um bairro popular nos arredores de Nápoles e da sua amizade adolescente.  O percurso separa-as quando Elena continua os estudos liceais e Lila tem de trabalhar para ajudar a sua família, pese embora a amizade de ambas continue.

 

Desde sempre a autora manteve algum mistério quanto à sua verdadeira identidade, refugiando-se no anonimato. As entrevistas dadas eram escritas, as perguntas enviadas, porque para a escritora italiana o nome «Elena Ferrante» começa e acaba nas páginas de cada um dos seus livros. A sua verdade é exclusivamente literária. Para lá disso, surge a lenda. «Já fiz o suficiente por esta história. Escrevi-a.» disse um dia a propósito.

 

Dai que não admira que a suposta revelação da verdadeira identidade da escritora best-seller italiana, um dos maiores e mais misteriosos fenómenos da literatura internacional contemporânea, tenha causado tanta polémica e acusações de invasão de privacidade.

 

O editor de Ferrante, Sandro Ferri, em entrevista ao jornal britânico The Guardian, diz-se chocado com aquilo que considera uma tentativa de desmascarar uma pessoa que propositalmente evitou os holofotes e sempre alegou querer apenas escrever os seus livros.

 

Na verdade, temos que admitir que enquanto há pessoas que gostam e querem promover-se, aparecendo escarrapachadas nas páginas dos jornais e revistas, há outras porém que desejam preservar o seu anonimato e estão no seu direito. Qual a necessidade de revelar a identidade de determinadas pessoas contra a vontade dos próprios?