Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

01
Jun17

Dia Mundial da Criança

criancas-sorridentes.jpg

O Dia Mundial da Criança foi comemorado pela primeira vez em 1950, na sequência de uma proposta apresentada pela Federação Democrática Internacional das Mulheres à Organização das Nações Unidas (ONU) e pretendia sobretudo chamar a atenção para a situação que se vivia após a 2ª Grande Guerra Mundial . As crianças de todo o Mundo enfrentavam grandes dificuldades: a alimentação era deficiente, os cuidados médicos eram escassos e mais de metade das crianças europeias não sabia ler nem escrever.

 

Com a criação deste dia, foi-lhes reconhecido o direito ao afeto, amor e compreensão; a uma alimentação adequada; a cuidados médicos; a educação gratuita; à proteção contra todas as formas de exploração; e a crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.

 

Embora o Dia da Criança seja assinalado em datas diferentes, dependendo do país em questão, a verdade é que, independentemente disso, esta é uma celebração com princípios comuns: os direitos universais das crianças e, claro, trazer-lhes um sorriso aos lábios com as inúmeras atividades que marcam esta data um pouco por todo o mundo.

 

13
Mai17

Visita do Papa Francisco a Fátima

18423709_1364916873601119_5687841605826977527_n.jp

A vinda do Papa Francisco teve um enorme significado. Independentemente da religião ou credo que cada qual professa, é impossível ficar indiferente a este homem. Porque que é uma lufada de ar fresco numa Igreja tantas vezes anacrónica; porque está constantemente a quebrar muros e barreiras; porque está sempre do lado certo da História e ao serviço dos mais necessitados; porque é um Homem de afetos; porque é um homem simples, com um estilo frugal de vida, despojado de luxos ofensivos e porque transmite uma mensagem de humanismo, de paz e de esperança.

 

Parecem coisas de somenos, mas têm uma enorme simbologia e significado e são um grande exemplo para todos os fiéis mas também para os não fiéis.

 

Por isso, é muito importante que reflitamos nas palavras  do Papa, ontem, no Santuário de Fátima, focadas na Misericórdia e em Nossa Senhora. O Papa Francisco afirmou em Fátima que a Virgem Maria deve ser vista como uma referência para a vida espiritual dos católicos e não como uma «santinha» «a que se recorre para obter favores a baixo preço». «Na verdade, se queremos ser Cristãos, devemos ser marianos», afirmou, citando uma intervenção de Paulo VI.

 

Perante milhares de pessoas reunidas na bênção que antecede a procissão das velas, Francisco lembrou também  «cada um dos deserdados e infelizes a quem roubaram o presente» e os «excluídos e abandonados a quem negam o futuro».

 

Na véspera da canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, o verdeiro motivo da sua visita, o Santo Padre exortou ainda os católicos a serem misericordiosos. «Devemos antepor a misericórdia ao julgamento e, em todo o caso, o julgamento de Deus será sempre feito à luz da sua misericórdia», disse Francisco.

 

Na Capelinha das Aparições, junto à imagem de Nossa Senhora de Fátima, o Papa apelou aos peregrinos que ponham de lado «qualquer forma de medo e temor, porque não se coaduna» com «quem é amado».

 

Repetindo as suas preocupações em relação aos conflitos que ocorrem em diversas partes do mundo, como «bispo vestido de branco», pediu a Nossa Senhora para, «no mais íntimo» do seu «Imaculado Coração», que veja «as dores da família humana que geme e chora neste vale de lágrimas».

 

«Seremos, na alegria do Evangelho, a Igreja vestida de branco, da alvura branqueada no sangue do Cordeiro derramado ainda em todas as guerras que destroem o mundo em que vivemos», acrescentou.

 

Francisco fez esta oração depois de ter rezado perante a imagem de Nossa Senhora de Fátima durante perto de oito minutos, ao longo dos quais os milhares de peregrinos presentes no santuário, tal como o Papa, se mantiveram em silêncio.

27
Mar17

Dia Mundial do Teatro

dia-mundial-do-teatro.jpg

Hoje é dia Mundial do Teatro, corra até ao teatro D. Maria II . «Abrimos as portas. Acendemos as luzes. E esperamos por si». O Dia Mundial do Teatro é isso mesmo: um momento de encontro. Um dia em que, de um modo ainda mais especial, contamos com todos para celebrar o Teatro. Este ano, saiba quais os espetáculos e atividades de que poderá usufruir: 

 

14h Visita guiada à exposição Teatro em cartaz: A coleção do D. Maria II, 1853-2015

curadoria Lizá Ramalho e Artur Rebelo

visita por Helena Barbosa

 

16h e 19h Ethica. Natura e origine della mente

de Romeo Castellucii

 

20h Conversa com Romeo Castellucci 

moderação José Tolentino de Mendonça

 

21h Tiranossauro Rex - Procedimento básico de memorização e esquecimento

de Alex Cassal

 

21h30 Ensaio para uma cartografia

de Mónica Calle

 

Entrada livre mediante o levantamento de bilhetes, na bilheteira do D. Maria II, a partir das 10h30. Limite de 2 bilhetes por pessoa, sujeitos à lotação disponível. Para este dia não se aceitam reservas."

 

 

"EXPOSIÇÃO - TEATRO EM CARTAZ - A COLEÇÃO DO D. MARIA II, 1853 - 2015

até 29 Julho, 2017

qua - dom, 30 min. antes do início dos espetáculos da Sala Garrett para portadores de bilhete

 

VÁRIOS LOCAIS | ENTRADA LIVRE*

 

18 abril - Dia Internacional dos Monumentos e Sítios | Horário da exposição: 15h - 18h

 

Um cartaz é um espetáculo. Pelos cartazes do D. Maria II vemos mais de um século de representações e das histórias que cada uma encerra. Nesta comemoração dos 170 anos, pedimos aos designers que atualmente desenvolvem a imagem do D. Maria II para mergulharem no arquivo e revelarem ao público como esse trabalho tem sido feito ao longo do tempo.

 

Nos documentos apresentados, evidenciam-se diferentes abordagens de pensar e produzir o cartaz. Das leituras desta amostra emergem diversas questões que vão desde as estratégias de gestão da imagem de identidade visual, até ao espaço de criação de que dispõe o designer.

curadoria Lizá Ramalho e Artur Rebelo

 

VISITAS GUIADAS À EXPOSIÇÃO

com Helena Barbosa

27 mar, 14h | entrada livre"

 

21 MAR - 30 ABR 2017

ÁTRIO | ENTRADA LIVRE

VIDEOTECA BOCA

 

"A Videoteca BoCA surge como um ponto de documentação, de historiação visual e de partilha pública, com o intuito de dar a conhecer (sobretudo ao público especializado mais jovem) o passado recente, desconhecido e escassamente documentado, através de obras artísticas que, de algum modo, estão na esteira do "espírito do tempo" da criação atual e que integram, na sua maioria, a programação da BoCA.

 

Percecionamos estéticas, conceções, direções, interesses e escolhas artísticas que se relacionam com uma geração, o seu contexto social, político e económico, mas que revelam também a intimidade dos artistas, mais jovens.

Oferecendo o acesso privilegiado a trabalhos de encenadores, coreógrafos, artistas plásticos ou performers, a Videoteca BoCA conta com a colaboração de artistas, entidades públicas e privadas que gentilmente cederam materiais de arquivo.

 

Durante a tarde, depois das aulas ou antes de assistir a um espetáculo, o espaço da Videoteca BoCA, no átrio do D. Maria II, pretende ser um descontraído ponto de encontro (físico), onde se podem descobrir obras que de outra forma não se teria oportunidade de ver, ou de rever.

 

Nomes de alguns artistas cujos registos de vídeo integrais são contemplados na Videoteca BoCA: Ana Borralho & João Galante, Cecilia Bengolea, Cláudia Dias, François Chaignaud, Héctor Zamora, Lúcia Sigalho, Márcia Lança, Mariana Tengner Barros, Miguel Moreira, Musa paradisiaca, Paulo Castro, Rodrigo García, Romeo Castellucci, Salomé Lamas, Tania Bruguera, Vera Mantero."

 

Transportes

Metro: Terreiro do Paço, Baixa-Chiado, Rossio

Autocarros: 709, 711, 714, 732, 735, 736, 758, 759, 760, 781, 782

Eléctricos: 12, 15, 25, 28

Barco: Terreiro do Paço, Cais do Sodré 

Comboio: Cais do Sodré, Rossio, Santa Apolónia

 

fonte: http://www.teatro-dmaria.pt/pt/

 

23
Mar17

Degraus

17309183_10206969149382042_6165279283473611339_n.j

Assim como as flores murcham

E a juventude cede à velhice,

Também os degraus da Vida,

A sabedoria e a virtude, a seu tempo,

Florescem e não duram eternamente.

A cada apelo da vida deve o coração

Estar pronto a despedir-se e a começar de novo,

Para, com coragem e sem lágrimas se

Dar a outras novas ligações. Em todo

O começo reside um encanto que nos

Protege e ajuda a viver

Serenos transpúnhamos o espaço após espaço,

Não nos prendendo a nenhum elo, a um lar;

Sermos corrente ou parada não quer o

espírito do mundo

Mas de degrau em degrau elevar-nos e aumentar-nos.

Apenas nos habituamos a um círculo de vida,

Íntimos, ameaça-nos o torpor;

Só aquele que está pronto a partir e parte

Se furtará à paralisia dos hábitos.

Talvez também a hora da morte

Nos lance, jovens, para novos espaços,

O apelo da Vida nunca tem fim ...

Vamos, Coração, despede-te e cura-te!

 

Poema: "Degraus", de Herman Hesse

13
Mar17

Parabéns, Radio Comercial

5427ef80afb0aa1e20310d653ec32ae186e57e60.png

A Radio Comercial comemora hoje 38 anos. Esta é a estação de radio que sintonizo de manhã no carro quando me desloco de casa para o trabalho.

 

O programa Manhãs da Comercial com Pedro Ribeiro, Luísa Barbosa, Vasco Palmeirim, Nuno Markl e Ricardo Araújo Pereira  proporciona um momento único de alegria e de humor ajudando-me a começar melhor o  dia.

 

Espero que continuem por muitos e bons anos a darem-nos a melhor música e momentos de boa disposição.

08
Mar17

4 anos

depositphotos_53014445-stock-illustration-4-year-a

 

Foi há quatro anos sem fazer a mais pálida ideia de como isto dos blogs funciona, ou de onde isso me levaria, pus mãos à obra no Dia da Mulher e assim nasceu o «Narrativa Diária».

 

Quando comecei, foi só e apenas pela curiosidade de experimentar. Pela novidade. Depois veio a surpresa e o prazer, que me fizeram querer levar por diante esta aventura. E então afeiçoei-me ao blogue e a tudo o que ele me trouxe.

 

Este espaço onde escrevo e digo o que me vai na alma, sem me preocupar muito com o que pensam ou dizem os que me leem, é acima de tudo um lugar de opinião, de afetos e de cumplicidades, mas também de conhecimento e de aprendizagem.

 

Em quatro anos muita coisa mudou. Mudou o mundo, mudou a minha vida e mudei eu com ela. Mas aprendi muito com o blog: pensei em temas que nunca tinham passado pela cabeça e que provavelmente talvez não chegasse a pensar se não fosse o blogue. Foi como um mundo novo que se abriu e se revelou e ainda bem.

 

Como em tudo na vida, houve coisas menos boas, mas pesando o lado bom e o lado menos bom o balanço que faço é francamente positivo. Por isso acho que tenho bons motivos para celebrar e, enquanto isto me der prazer, vou andando por aqui a escrevinhar mais umas coisas.

 

 

07
Mar17

Parabéns, RTP

  

rtp.jpg

 

 

Hoje a RTP está de parabéns. Para celebrar o seu 60º aniversário foi lançada a RTP Arquivos. A plataforma dá acesso gratuito a mais de 6500 registos de som e vídeo do arquivo da RTP. Desde 1936 com o início das emissões de rádio e desde 1957 com a chegada da televisão, a RTP tem construído um vasto acervo de conteúdos. Um repositório de valor inquestionável que, hoje, acaba por contar a história de Portugal das últimas seis décadas e está acessível a todos.

 

Não obstante todas as crises que tem atravessado e ultrapassado, a verdade é que RTP é uma instituição e faz parte da vida dos portugueses.

 

Ao longo dos anos esteve quase sempre na linha da frente da ficção, da informação, da ficção e do entretenimento. Informou o país, divertiu os portugueses com programas como o ZIP ZIP, parou o país com novelas como Gabriela ou Vila Faia e entreteve os portugueses com programas de humor como o Tal Canal, Jogos sem Fronteiras, Passeio dos Alegres, concursos como a Cornélia, 123, Festivais da Canção, só para citar alguns dos mais emblemáticos programas de que me recordo, e foi lançando assim as bases para uma indústria que outros replicaram e bem.

 

Por isso, hoje, dia de aniversário, é imperioso prestar homenagem a todos aqueles que começaram esta aventura e deixaram uma marca forte nesta instituição: aos apresentadores, aos jornalistas, aos produtores, aos realizadores e todos os técnicos que se formaram na RTP e fizeram a sua própria escola, aos programas que marcaram uma época. Por tudo isto: obrigada e parabéns RTP.