Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

07
Nov17

100 anos da Revolução Russa

100 anos.png

Em 7 de novembro de 1917, os bolcheviques começavam a mudar o mundo. Neste dia nasceu o primeiro país comunista da História.

 

A Revolução Russa de 1917 foi um período de conflitos que derrubou a autocracia russa e levou ao poder o Partido Bolchevique, de Vladimir Lenine.

 

Recém-industrializada e sofrendo com a Primeira Guerra Mundial, a Rússia tinha uma grande massa de operários e camponeses explorados. O governo absolutista do czar Nicolau II com uma liderança opressiva e nada democrática desagradava ao povo. A confluência destes fatores levou a manifestações populares que fizeram o monarca renunciar e, no fim do processo, deram origem à União Soviética, o primeiro país socialista do mundo.

 

Inspirada na obra de Marx e Engels, procedeu-se à reforma agrária com redistribuição de terras entre campesinato. Os sindicatos assumiram o controlo das fábricas e as fazendas passaram a produzir para a comunidade. O governo tentou igualar as classes sociais. Ainda hoje, os vestígios da época são patentes na arquitetura do Leste Europeu. As casas pré-fabricadas e blocos de arranha-céus em série, por exemplo.

 

A Revolução compreendeu duas fases distintas: a primeira, a revolução de fevereiro (março de 1917, pelo calendário ocidental), que derrubou a autocracia do Czar Nicolau II, o último Czar a governar, e procurou estabelecer uma república de cariz liberal e, posteriormente a revolução de outubro (novembro de 1917, pelo calendário ocidental), na qual o Partido Bolchevique, derrubou o Governo provisório apoiado pelos partidos socialistas moderados e impôs o governo socialista soviético.

 

Cem anos de um regime comunista austero deixou naturalmente marcas profundas que o governo de Putin quer apagar. Por isso mesmo os 100 anos na Russia são ignorados pelo regime de Vladimir Putin. Apenas o Partido Comunista Russo assinalará a data assumindo a bandeira e a herança da revolução numa série de comícios e manifestações em Moscovo e por toda a Rússia.

31
Out17

Halloween ou Dia das Bruxas

 

a-tradicao-halloween-surgiu-com-os-povos-celtas-dr

Hoje, dia 31 de outubro, para além do dia Mundial da Poupança, celebra-se o dia das bruxas, uma tradição que importamos dos EUA, mas a sua origem pagã está de acordo com a celebração do povo Celta. Esta festa era uma das mais importantes para este povo, pois celebrava o que para nós seria o céu e o inferno. Para os celtas o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não havia sofrimento.

 

A comemoração foi levada à América do Norte pelos irlandeses. A relação entre essa data e as bruxas, ocorreu na Idade Média quando havia a perseguição a homens e mulheres que eram considerados curandeiros. Os que fossem suspeitos dessa prática eram chamados de bruxos no sentido depreciativo. Como punição eram levados a julgamento e consequentemente seguiam para a fogueira. Quando essa cultura foi levada aos Estados Unidos pelos imigrantes irlandeses, povo de cultura celta, ficou então conhecida como «Dia das Bruxas».

 

Nessa época, a Irlanda passava pelo período chamado de carência, o que forçou um milhão de pessoas a imigrar para a então colônia britânica, levando consigo suas traições e histórias.

 

Hoje o Dia das Bruxas pouco tem a ver com a maneira como era celebrada antigamente. O que restou foi a referência aos mortos, mas com características bem distintas. Devido a esta relação, os símbolos usados nesta festa são sempre assustadores: bruxas, caveiras e gatos pretos, são comuns nesta data.

 

Em Portugal há cada vez mais pessoas a celebrar esta data. O Halloween de Vilar de Perdizes é famoso e tem como ponto alto da noite a preparação da queimada, licor feito à base de aguardente, açúcar, maçã e canela, pelo padre António Fontes, conhecido por "Dom Bruxo", com efeitos alegadamente esconjurativos de todos os males deste e do outro mundo.

 

As crianças na véspera e no Dia de Todos os Santos, em grande parte do país, mascararam-se e batem à porta na vizinhança pedindo doces e guloseimas com a frase «doce ou travessura». É o chamado «Pão por Deus».

 

Reza a história que o Pão por Deus tem raízes num ritual pagão do século XV que foi estabelecido após o terramoto de 1755. Nesse dia 1 de novembro, a população mais pobre de Lisboa terá aproveitado para sair às ruas e bater à porta dos mais afortunados e, assim, aliviar um pouco a fome.

 

A tradição manteve-se ao logo dos tempos, sobretudo fora das grandes cidades e com duas alterações significativas: o peditório passou a ser feito apenas por crianças, e, em vez de pão, os donos das casas oferecem hoje bolinhos, bolachas, guloseimas e frutos secos.

31
Ago17

Foi há 20 anos

 

encyc-diana.jpg

Há vinte anos o mundo despertava, em choque, com a  trágica notícia da morte da Diana de Gales.

 

Lady Di, como era conhecida, de 36 anos, perdeu a vida a 31 de agosto de 1997 num acidente de automóvel onde seguia juntamente com o namorado, Dodi al-Fayed, quando a limusine que os transportava colidiu num túnel de Paris, quando tentava escapar dos fotógrafos que os perseguiam de moto. 20 anos após o acidente continuam a surgir teorias especulativas sobre da sua morte. Acidente ou atentado?

 

Morria aquela que carinhosamente foi conhecida como Princesa do Povo e que durante anos alimentou capas de revistas, jornais, livros e programas de todo o tipo. Foi seguramente a figura do século XX com maior destaque nas chamadas revistas cor de rosa.

 

A vida de Lady Di foi um conto de fadas que culminou numa enorme tragédia. Ícone de moda e dotada de uma beleza e de um charme muito peculiares, Diana cativou o mundo pelo seu envolvimento em ações de caridade, de solidariedade e causas humanitárias, em especial pelo grande envolvimento que demonstrou no combate ao HIV/SIDA e na Campanha Internacional pela Proibição de Minas Terrestres.

 

A imagem da então mulher mais famosa do mundo caminhando por um campo de minas terrestres em Angola diante de uma centena de jornalistas ficará para sempre gravado na nossa memória.

 

A atitude da princesa de Gales mudaria para sempre a maneira como o mundo lidava com esta questão, chamando a atenção para a gravidade do problema e conseguindo o comprometimento de mais de 160 governos para a retirada das minas terrestres dos antigos campos de guerra.

16
Ago17

No dia da Assunção de Nossa Senhora

arvore.png

Já não bastavam os incêndios que grassam por esse país fora, ontem, dois altares de culto a Nossa Senhora foram abatidos. Em Lousada, tonelada e meia de andor, carregado por 80 homens, ruiu e fez cerca de uma dezena de feridos. Na freguesia do Monte, no Funchal, outra procissão ia sair, quando cai uma árvore e mata treze pessoas e fere mais de quatro dezenas.

 

Para um católico estas tragédias configuram uma absurda crueldade. Aquelas pessoas, aquelas famílias, preparavam-se para honrar Nossa Senhora,no aniversário da morte da Virgem Maria e a sua subida aos céus - Dia da Assunção de Nossa Senhora.

 

Mas, religião á parte, a confirmar-se que a Câmara Municipal do Funchal foi em tempo notificada para abater aquela árvore de grande porte e fez 'orelhas moucas', então terão de existir consequências legais para os autarcas responsáveis.

 

E se se confirmar que os serviços da autarquia madeirense garantiram que as árvores aguentavam e estavam em condições de continuar, pese embora os constantes apelos dos munícipes, os técnicos da autarquia não poderão ficar impunes. Mais importantes que as árvores ainda são as pessoas. Já que não se podem evitar estas mortes ao menos que se honre a sua memória fazendo-se justiça.

01
Jun17

Dia Mundial da Criança

criancas-sorridentes.jpg

O Dia Mundial da Criança foi comemorado pela primeira vez em 1950, na sequência de uma proposta apresentada pela Federação Democrática Internacional das Mulheres à Organização das Nações Unidas (ONU) e pretendia sobretudo chamar a atenção para a situação que se vivia após a 2ª Grande Guerra Mundial . As crianças de todo o Mundo enfrentavam grandes dificuldades: a alimentação era deficiente, os cuidados médicos eram escassos e mais de metade das crianças europeias não sabia ler nem escrever.

 

Com a criação deste dia, foi-lhes reconhecido o direito ao afeto, amor e compreensão; a uma alimentação adequada; a cuidados médicos; a educação gratuita; à proteção contra todas as formas de exploração; e a crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.

 

Embora o Dia da Criança seja assinalado em datas diferentes, dependendo do país em questão, a verdade é que, independentemente disso, esta é uma celebração com princípios comuns: os direitos universais das crianças e, claro, trazer-lhes um sorriso aos lábios com as inúmeras atividades que marcam esta data um pouco por todo o mundo.

 

13
Mai17

Visita do Papa Francisco a Fátima

18423709_1364916873601119_5687841605826977527_n.jp

A vinda do Papa Francisco teve um enorme significado. Independentemente da religião ou credo que cada qual professa, é impossível ficar indiferente a este homem. Porque que é uma lufada de ar fresco numa Igreja tantas vezes anacrónica; porque está constantemente a quebrar muros e barreiras; porque está sempre do lado certo da História e ao serviço dos mais necessitados; porque é um Homem de afetos; porque é um homem simples, com um estilo frugal de vida, despojado de luxos ofensivos e porque transmite uma mensagem de humanismo, de paz e de esperança.

 

Parecem coisas de somenos, mas têm uma enorme simbologia e significado e são um grande exemplo para todos os fiéis mas também para os não fiéis.

 

Por isso, é muito importante que reflitamos nas palavras  do Papa, ontem, no Santuário de Fátima, focadas na Misericórdia e em Nossa Senhora. O Papa Francisco afirmou em Fátima que a Virgem Maria deve ser vista como uma referência para a vida espiritual dos católicos e não como uma «santinha» «a que se recorre para obter favores a baixo preço». «Na verdade, se queremos ser Cristãos, devemos ser marianos», afirmou, citando uma intervenção de Paulo VI.

 

Perante milhares de pessoas reunidas na bênção que antecede a procissão das velas, Francisco lembrou também  «cada um dos deserdados e infelizes a quem roubaram o presente» e os «excluídos e abandonados a quem negam o futuro».

 

Na véspera da canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco Marto, o verdeiro motivo da sua visita, o Santo Padre exortou ainda os católicos a serem misericordiosos. «Devemos antepor a misericórdia ao julgamento e, em todo o caso, o julgamento de Deus será sempre feito à luz da sua misericórdia», disse Francisco.

 

Na Capelinha das Aparições, junto à imagem de Nossa Senhora de Fátima, o Papa apelou aos peregrinos que ponham de lado «qualquer forma de medo e temor, porque não se coaduna» com «quem é amado».

 

Repetindo as suas preocupações em relação aos conflitos que ocorrem em diversas partes do mundo, como «bispo vestido de branco», pediu a Nossa Senhora para, «no mais íntimo» do seu «Imaculado Coração», que veja «as dores da família humana que geme e chora neste vale de lágrimas».

 

«Seremos, na alegria do Evangelho, a Igreja vestida de branco, da alvura branqueada no sangue do Cordeiro derramado ainda em todas as guerras que destroem o mundo em que vivemos», acrescentou.

 

Francisco fez esta oração depois de ter rezado perante a imagem de Nossa Senhora de Fátima durante perto de oito minutos, ao longo dos quais os milhares de peregrinos presentes no santuário, tal como o Papa, se mantiveram em silêncio.