Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

04
Jun17

Cristiano Ronaldo, pois claro

 

20466169_Ud2B8.jpg

O Real Madrid venceu este sábado a 12ª Liga dos Campeões. Dois golos de Cristiano Ronaldo, um de Casemiro e outro de Ascencio eliminaram a Juventus da final.

 

Com estes dois golos, Cristiano Ronaldo tornou-se no primeiro jogador português a marcar em três finais da Champions, assegurando também o 5.º título consecutivo de melhor marcador. Esta é a sua quarta conquista na prova milionária. E provavelmente a quinta bola de ouro é para Cristiano Ronaldo, com inteira justiça, pois claro.

 

Grande mérito também para Zidane no momento de forma que Cristiano Ronaldo atravessa, na gestão que fez da sua condição física e claro na forma como vem treinando o Real Madrid. Num ápice já conquistou duas Champions, tantas como Mourinho e Guardiola.

19
Abr17

Árbitro prejudicou Bayern Munique na Liga dos Campeões

mw-1920.jpg

 

Gostei que o Real Madrid tenha passado às meias-finais da Liga dos Campeões, mas não desta forma. Sei bem do que falo, porque já vi e senti o Sporting ser várias vezes prejudicado em competições europeias pelas arbitragens.

 

Num jogo frenético e pleno de oportunidades o Bayern de Munique teve um  maior ascendente na primeira parte, ficando várias vezes perto do golo.

 

Num segundo tempo, o penálti concretizado por Lewandowski a penalizar uma falta de Casemiro deu esperanças aos alemães e abalou os 'merengues' que tinham vencido por 2-1 em Munique.

 

Cristiano Ronaldo marcou aos 76, para dar a volta a um resultado desfavorável  e viu ainda um autogolo de Sergio Ramos que originou o prolongamento.

 

O Bayern de Munique queixa-se, e com razão, de um favorecimento do árbitro à equipa merengue, nomeadamente ao ter expulso Arturo Vidal no encontro, por falta inexistente, e ter perdoado o segundo cartão amarelo a Casemiro por três faltas duras.

 

Após a expulsão de Vidal, o Bayern jogou o prolongamento com menos uma unidade. O Real Madrid aproveitou e Ronaldo dilatou o marcador com mais dois golos. Asensio fechou a contagem (4-2) aos 112, depois de grande jogada do brasileiro Marcelo, para mim o melhor em campo.

13
Abr17

CR 100

19ba3403d2a12cf43018e3c4ee3aa0ab.jpg

 

Cristiano Ronaldo tornou-se a partir de ontem o primeiro futebolista a atingir os 100 golos nas competições europeias de futebol, ao marcar dois golos diante do Bayern Munique, nos quartos de final da Liga dos Campeões, em que o Real Madrid venceu por 2-1.

 

Mais uma marca excecional para o craque português e melhor jogador do mundo.

08
Dez16

Sporting fora das competições europeias

 

ng7961485.JPG

Parece maldição! O Sporting tinha tudo para passar à Liga Europa, bastava-lhe para isso um empate com o Legia, para seguir para a Liga Europa, mas a jogar fora, desta vez em Varsóvia, os leões sentiram muitas dificuldades.

 

Caso fosse marcada e convertida uma grande penalidade por mão na bola de um jogador do Légia e André não tivesse falhado um «golo feito», o Sporting passava. Mas, como sabemos, acima de tudo o futebol é um jogo e, como tal, está sempre condicionado aos caprichos da sorte e ao poder discricionário da arbitragem.

 

Apenas tive oportunidade de ver a primeira parte do jogo do Légia de Varsóvia-Sporting. E, sinceramente, não gostei do que vi. O SCP até nem começou mal, houve dois lances ameaçadores de William Carvalho, mas, no cômputo geral, existiu um claro domínio da equipa polaca.

 

A equipa estava irreconhecível, muito por culpa do treinador que decidiu inovar, alterando o sistema tático da equipa que tão bom resultado tem dado no campeonato.

 

Aparecer no onze titular Paulo Oliveira como lateral, sem rotinas nem experiência na posição, fez com que a equipa se desconjuntasse. Aliás o golo polaco foi extremamente consentido pela defesa leonina.

 

A eliminação deixa, sem dúvida, um amargo de boca, até pelo investimento realizado no início da época que parecia apostar forte nas competições europeias.

 

Contudo, parece-me que o facto de podermos focar-nos, daqui para a frente, apenas nas competições nacionais, sem ter de cumprir o calendário exigente de uma Liga Europa, poderá ser uma vantagem importante, já que, habitualmente a equipa ressente-se sempre quando joga a meio da semana.

 

Daqui para a frente não haverá desculpas: exige-se o campeonato ou pelo menos uma das taças. Caso contrário dever-se-á reconsiderar a opção de Jorge Jesus como treinador, pago a peso de ouro.

23
Nov16

Sporting fora da Champions

ec306d7584d6411db461d902b8d5e6e8.jpg

O Sporting ficou fora dos oitavos de final da Liga dos Campeões ao perder contra o Real Madrid, por 2-1.

 

O filme não foi muito diferente do que se passou no Santiago Bernabéu: o Sporting foi superior, controlou o jogo, mas pecou na finalização; ao contrário, os merengues jogaram o suficiente e na primeira oportunidade que tiveram marcaram. Os pequenos detalhes ditaram o resultado.

 

A 2ª parte fica marcada pela expulsão do João Pereira, em que o árbitro é equivocado pela teatralização de Kovacic. O amarelo era suficiente. Mas, pese embora a expulsão e a jogar com menos um jogador, o SCP não esmoreceu, nem parecia estarmos em inferioridade numérica.

 

Aos 80’ foi assinalada uma grande penalidade, cometida por Fábio Coentrão. Chamado a convertê-la, Adrien não vacilou, empatando a partida com um remate muito forte e bem colocado. Mas, um golo de Benzama aos 87' ditou o resultado final.

 

O jogo merecia ter acabado empatado, mas o futebol como sabemos não é justo. Estes jogos da Liga dos Campeões, esperemos que tenham servido, pelo menos, para o SCP ganhar experiência, para não cair, de futuro, nos mesmos erros.

 

Excelente ambiente em Alvalade. Como sempre fomos os melhores adeptos, batendo o recorde de assistência (50 046 adeptos).

 

Por fim, é desejável que passemos à Liga Europa. Basta-nos empatar contra o Légia de Varsóvia. Vamos torcer para que isso aconteça.

15
Set16

Estivemos (quase) a fazer história!

equipa.jpg

Não tinha muitas expectativas para o jogo frente ao Real Madrid, mas face à exibição do Sporting, merecíamos ter pontuado em Madrid. A vitória teria sido um resultado histórico. O empate teria sido um bom resultado. A derrota, nas circunstâncias em que ocorreu, é um péssimo resultado.

 

Gelson foi ENORME! Adrien, William e Bruno César, extraordinários, secando o meio-campo merengue. Coates e Ruben, grande dupla de centrais! Bas Dost não esteve mal, mas não fez esquecer o Slimani.

 

Sporting depois das substituições perdeu confiança e capacidade de aguentar a bola mais tempo em zonas adiantadas do campo. Não soubemos segurar a vantagem no marcador a cinco minutos do fim. Os reforços ainda não funcionaram bem.

 

E depois eles têm o «melhor do mundo», como todos sabemos. Quem tem Ronaldo, mesmo saído de lesão e longe da melhor forma, pode fazer a diferença. Se o lance que dá o golo do empate é uma falta inventada pelo Ronaldo? É. Mas não serve de desculpa. A equipa recuou muito nos últimos 15 minutos do jogo. Acusou muito a possibilidade de estar à beira de fazer um resultado histórico. E a responsabilidade é, em primeiro lugar, de Jorge Jesus.

 

A imagem de contenção que o treinador devia passar aos jogadores foi inexistente: Jesus foi expulso aos 65 minutos de jogo, transmitindo para dentro do campo uma mensagem de descontrolo emocional. É este o ponto fraco do Jesus: incapacidade emocional para gerir momentos de pressão e decisivos. Zidane agiu bem, acertando em cheio nas substituições.

 

Dito isto, há que referir que esta foi uma exibição muito conseguida do Sporting, que não merecia aquele desfecho. Uma palavra de apreço para toda a equipa que se esforçou ao máximo para sair do Santiago Bernabéu com um resultado positivo, num ambiente magnífico, com um apoio incansável de muitos sócios e simpatizantes que se deslocaram a Madrid para apoiar a sua equipa.

 

Sporting perdeu o jogo, é isso que vai contar para as estatísticas, mas também ganhou visibilidade, mostrou a qualidade do seu futebol, jogou no campo todo, dominou o jogo e foi superior ao Real Madrid durante 85 minutos. Esteve acima do Real Madrid e teve as melhores oportunidades da partida.

 

27
Ago15

Sporting fora da Liga dos Campeões

CSKA.jpg

O Sporting perdeu a possibilidade de se qualificar para a fase de grupos da Liga dos Campões ao perder a eliminatória com o CSKA de Moscovo.

Os leões até entraram bem no jogo, fizeram boa circulação de bola e controlaram totalmente o jogo na primeira metade, com Teo Gutiérrez a abrir o marcador. Tudo parecia estar a correr de feição e a aproximar o Sporting do seu objetivo. O intervalo chegou e o Sporting estava muito perto da fase de apuramento da Liga dos Campeões.

Mas, surpreendentemente, na segunda parte tudo mudou, Jesus tardou em mexer e quando o fez, não tomou as melhores opções, na minha opinião. Quando já se pensava  no prolongamento, o CSKA sentenciou a eliminatória. Mais uma bola nas costas da defesa do Sporting e Musa a contornar Rui Patrício e a colocar o CSKA na fase de grupos da Liga dos Campeões, relegando a equipa portuguesa para a Liga Europa.

Acho que temos claramente razões de queixa da arbitragem ̶  o CSKA marcou um golo irregular com o braço, validado pelos árbitros; o Sporting marcou um segundo golo mal anulado, pois segundo as imagens televisivas, o canto é marcado sem que o fiscal de linha não assinale qualquer irregularidade, só quando a bola entra na baliza é que levanta a bandeirola.

Acho, no entanto, que a atitude displicente da equipa de não conseguir segurar a vantagem que alcançamos na primeira parte é altamente preocupante, não apenas pela má imagem que deixa, como porque, neste caso, estavam em causa 14 milhões de euros que permitiriam outra solidez financeira ao clube leonino.

Concluindo, o Sporting foi prejudicado pelos erros de arbitragem, mas também foi vítima dos erros que cometeu na segunda parte do jogo.

15
Ago15

Sporting garante vitória nos descontos

joao mario.png

O campeonato nacional de futebol começou ontem, em Aveiro, com o Tondela e o Sporting a abrir as hostilidades na primeira jornada da nova época 2015/16.

Depois de um defeso movimentado e atípico (com a mudança de Jorge Jesus de Carnide para Alvalade e o mercado das transferências ao rubro) e ainda com o rescaldo da Supertaça como pano de fundo, recheada com as habituais picardias, a coisa prometia.

Jorge Jesus colocou em jogo o mesmo 11 que venceu a Supertaça. O Tondela até entrou bem no jogo, surpreendendo nos primeiros dez minutos, fazendo pressão sobre o Sporting, mas depois o SCP pegou no jogo, equilibrou, e a meio da primeira parte João Mário apontou o primeiro golo no jogo, colocando o Sporting em vantagem.

Até ao final da primeira parte «só deu Sporting», com grandes oportunidades de golos, movimentações rápidas, mas falhando, contudo, na finalização. Ao intervalo o marcador indicava 1-0, sendo notoriamente escasso para aquilo que o SCP tinha feito na primeira parte

Na segunda parte veio a surpresa do jogo. O SCP baixou o ritmo de jogo e após um livre indireto a favor do Tondela, numa bola batida para a pequena área, um jogador do Tondela joga a bola para o fundo das redes do SCP, mas com a ajuda do braço. O golo nasce de um livre que devia ter sido marcado a favor do Sporting, pois Naldo sofre falta do adversário, que o agarra depois de ele ter ganhado posição. Mas a equipa de arbitragem assim não entendeu e o golo foi validado.

O Sporting bem tentou colocar-se novamente em vantagem, mas a defesa do Tondela opôs-se bem, e só nos últimos minutos de compensação o Sporting conseguiu ganhar uma grande penalidade, por falta indiscutível de Murillo sobre Gelson Martins que havia entrado no segundo tempo, todavia precedida de uma irregularidade, já que João Pereira lança a bola com um pé no relvado.

Adrien Silva marcou a grande penalidade de forma irrepreensível, colocando a equipa comandada por JJ em vantagem. O Sporting mereceu vencer o jogo, foi a equipa que mais procurou a vitória. O Tondela jogou nos minutos finais claramente para o empate, tentando bloquear todos os ataques do Sporting, o que em parte conseguiu, mas quando tinha oportunidade de contra-atacar fazia com algum perigo.

O Sporting sofreu muito para conseguir alcançar os primeiros três pontos na primeira jornada do campeonato. O Tondela foi uma equipa bem organizada, que mostrou aspetos táticos interessantes, num jogo que pecou pela má arbitragem de Carlos Xistra.

O próximo jogo do Sporting é já na próxima 3ª feira frente ao CSKA Moscovo para a 1° mão do Play Off da Liga dos Campeões. Será muito importante passar a eliminatória na Liga dos Campeões. Para isso, teremos de eliminar o CSKA de Moscovo, de má memória para nós sportinguistas. Se tal acontecer, o Sporting fará um encaixe financeiro de treze milhões de euros, recuperando praticamente o investimento realizado nesta época.

 

22
Abr15

Pesada derrota em Munique

SCYHSGW8.png

Só um FC Porto quase perfeito em todos os momentos da partida, poderia ambicionar discutir a eliminatória no Allianz Arena. E, infelizmente, esse FC Porto ontem não apareceu. Sabíamos de antemão que o jogo de ontem não ia ser fácil e que os alemães eram favoritos para garantir o apuramento para as meias-finais, mas perder por 6-1 era inimaginável.

Os bávaros assumiram a iniciativa do jogo desde os primeiros minutos. Forçados a correr atrás do prejuízo, empurraram os azuis e brancos para o seu meio-campo e o FC Porto foi literalmente massacrado durante 27 minutos, momento em que os alemães chegaram ao 3-0. Sem capacidade de controlo das operações e desfalecidos no plano emocional, os portistas sofreram outros dois golos antes do intervalo que tardava em chegar. No fim da primeira parte o marcador assinalava 5-0 a favor do Bayern.

Depois, na minha perspetiva, o treinador do FC Porto abordou mal o jogo. Face às ausências de Danilo e Alex Sandro, titulares habituais, afastados por castigo, Lopetegui foi forçado a fazer adaptações na defesa. Diego Reis e Martins Indy ocuparam esses lugares, sendo que Reis foi um flop. Aos 33 minutos, Lopetegui, reconhecendo o erro, troco-o por Ricardo Pereira.

Para a segunda parte e certamente já a pensar no jogo do próximo domingo, Lopetegui fez descansar Quaresma e lançou para o seu lugar Rúben Neves, alterando o sistema tático (colocou Maicon, Casemiro e Marcano na defesa). Surpreendentemente, a segunda metade do jogo foi bastante melhor que a primeira. Os portistas conseguiram maior eficácia: trocar melhor a bola no meio campo adversário e chegar com maior perigo à baliza de Manuel Neuer.

A ganhar por 5-0 o Bayern sentiu que a eliminatória estava ganha e baixou o ritmo de jogo. Nessa fase o FC Porto aproveitou e reduziu por Jackson Martinez, ficando a dois golos do apuramento. É evidente que marcar dois golos em Munique com o ascendente germânico em alta era quase impossível, mas a verdade é que logo depois Jackson ficou a centímetros de voltar a marcar e reabrir de novo a eliminatória.

O Bayern apercebendo-se disso voltou a carregar. Após a expulsão de Marcano, acabou mesmo por fazer o sexto golo, num livre direto, superiormente batido por Xabi Alonso e acabou com o jogo, para desilusão de milhões de Portistas por esse mundo fora que viram o sonho europeu ontem esfumar-se em Munique.

Foi, sem dúvida, uma pesada derrota que poderá ter repercussões no jogo de domingo, na Luz, frente ao Benfica.

16
Abr15

Sem espinhas!

11110811_10205903405851781_4147221820414816928_n.j

Ontem fez-se história no Dragão. A máxima de que «no futebol são onze contra onze e no fim ganha a Alemanha» caiu por terra e quem ganhou foi o FC Porto.

A estratégia bávara desabou aos três minutos quando Neuer fez penalty que Quaresma concretizou e logo depois marcou o segundo golo. Aliás, Ricardo Quarema foi o homem do jogo. Fez um jogo brilhante!

Mas toda a equipa foi enorme, os jogadores trabalharam muito, souberam sofrer, aproveitar os erros do adversário e com uma exibição incrível banalizaram o portentoso Bayern.

Grande vitória do Porto por 3-1que  até podia ter sido mais expressiva, caso o árbitro tivesse expulsado o guarda-redes, Manuel Neuer logo no início do jogo. Um árbitro que teve um critério disciplinar tendencioso que prejudicou claramente a equipa nacional.

O 3-1 não garante nada, é certo, mas em Munique tudo é possível e o FC Porto merece passar à próxima fase.