Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

05
Jun17

One Love Manchester

 

ariana_grande_manchester-lg.jpg

Depois do atentado terrorista de Manchester, há quase duas semanas, Ariana Grande voltou a cantar naquela cidade. A cantora juntou em palco vários músicos para homenagear as vítimas do atentado terrorista de 22 de maio, entre eles: Justin Bieber, Miley Cyrus, Katy Perry, Black Eyed Peas, Coldplay, Little Mix, Robbie Williams, Liam Gallagher e outros, num concerto memorável.

 

O sucesso deste concerto humanitário não se restringiu apenas à participação de alguns dos nomes mais mediáticos da música em Old Traford perante 50 mil pessoas. O espetáculo de beneficência foi transmitido em várias redes sociais, além da transmissão televisiva em direto para 38 países.

 

A recolha de fundos de One Love Manchester no Facebook ultrapassou os 300 mil dólares e tem como destinatários as famílias das vítimas do ataque terrorista no concerto de Ariana Grande em Manchester como igualmente o apoio na luta contra o cancro.

14
Mai17

Um feito histórico!!

18423817_10155439495879916_4760726756843550141_n.p

Melhor resultado do que um 5-0 (num jogo que decidiu o campeonato), só mesmo o resultado de 758-615! (no caso, Portugal-Bulgária). Foi esta a diferença entre os dois melhor posicionados na votação final do Festival da Eurovisão.

Viva a extraordinária vitória de Salvador (Éder) Sobral! Como ele disse «Vivemos num mundo de música descartável, de música fast-food sem qualquer conteúdo. Isto pode ser uma vitória da música, das pessoas que fazem música que de facto significa alguma coisa. A música não é fogo-de-artifício, é sentimento. Vamos tentar mudar isto. É altura de trazer a música de volta, que é o que verdadeiramente interessa»

Fantástico, Salvador! És o orgulho de todos nós!!! Parabéns!

09
Mai17

Fátima, Futebol e Fado

18319289_10213269190223814_1813601274778743020_o.j

Li no Facebook. e achei genial. O dia 13 de maio vai ser um grande dia para Portugal. Para além da visita do Papa a Fátima para a canonização dos pastorinhos e da possibilidade do Benfica se sagrar já campeão nacional, há ainda uma provável prestação de Salvador Sobral no Festival da Eurovisão que se prevê memorável. Se isto não é a reedição de «Futebol, Fátima e Fado» em pleno 2017, não sei o que seja! 

 

23
Fev17

«Maior que o pensamento»

 

zeca afonso.jpg

 

Passam hoje 30 anos sobre a data da morte de Zeca Afonso, talvez o músico mais importante e mais influente das últimas décadas em Portugal que desapareceu precocemente com 57 anos.

 

Ícone incontornável da canção de Coimbra e figura central da música de intervenção em Portugal, Zeca Afonso foi acima de tudo um homem da liberdade, da democracia e da solidariedade, valores pelos quais lutou enquanto estudante, professor e cidadão contra a ditadura do Estado Novo. As suas armas foram a viola e a música com as quais tocava algumas vezes na companhia de Adriano Correia de Oliveira, e que contribuíam para manter viva a luta por uma sociedade livre e democrática.

 

O seu nome ficou intrinsecamente ligado ao 25 de Abril, através da canção «Grândola Vila Morena»  de sua autoria que serviu de senha para a saída das tropas em direção ao Terreiro do Paço, dando-se, com isso, o inicio das operações militares que puseram fim ao regime ditatorial que então vigorava em Portugal.

 

Deixou um enorme legado histórico, cultural e artístico que perdurará para sempre. Muitas das suas canções continuam a ser reinventadas e recriadas por vários interpretes nacionais e internacionais.

26
Dez16

Annus horribilis para a música

15741278_1860387237572114_7666491057088003501_n.jp

 

2016, foi um ano negro para a música com o desaparecimento de alguns dos seus grandes nomes.

David Bowie foi o primeiro a partir, em Janeiro, apenas uns dias depois de lançar o álbum Blackstar.

O músico Maurice White, o produtor dos Beatles, George Marti,  Keith Emerson e Greg Lake da banda Emerson, Lake & Palmer, Phife Dawg, o rapper americano e um dos criadores do grupo A Tribe Called Quest e Merle Haggard, lenda da música country foram também cantores que desapareceram ao longo do ano.

Prince, o ícone da pop e também Leonard Cohen, poeta e cantor fazem parte da lista negra de cantores que morreram em 2016. Sharon Jones, cantora do soul e funk e Rick Parfitt, o guitarrista do grupo Status Quo também nos deixaram este ano.

Ontem foi a vez George Michael, uma das melhores vozes da pop britânica, primeiro com a dupla Wham e depois com uma carreira solo, que morreu ontem aos 53 anos, dia de Natal. Sim, ontem foi o Last Christmas de George Michael, infelizmente.

Que ano horrível! Ainda bem que 2016 vai acabar daqui a menos que uma semana.

11
Dez16

Patti Smith na cerimónia do Nobel 2016

 

 

Bob Dylan foi reconhecido  com o Nobel de Literatura em 2016. Depois de várias tentativas de contacto por parte da Academia Sueca, Dylan finalmente aceitou o Nobel e agradeceu-o, dizendo que estava «sem palavras»  com o reconhecimento.

 

O músico tinha comunicado há três semanas que não compareceria à cerimónia, alegando já ter outros compromissos, mas enviou um discurso de agradecimento para ser lido juntamente com os dos outros premiados na cerimónia de entrega de prémios que se realizou ontem, em Estocolmo.

 

Patti Smith foi convidada a atuar em sua honra. A cantora e poetisa interpretou uma das canções mais famosas de Dylan, A Hard Rain's A-Gonna Fall, tendo acusado o nervosismo e esquecido parte da letra. Smith pediu desculpas e retomou, logo depois, a atuação, perante os muitos aplausos da plateia.

 

Os prémios Nobel atribuidos são: uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de oito milhões de coroas suecas, equivalente a 824 mil euros, cerca de 871 mil dólares, que é partilhado se houver mais do que um vencedor numa categoria.

22
Abr16

Prince (1958-2016)

ng6563987.jpg

Este ano não está a ser fácil. Depois de David Bowie, ontem foi mais um dia triste para o panorama musical: morreu Prince, aos 57 anos. O cantor encontrava-se na sua residência e estúdio de gravação, conhecido como Paisley Park, no estado de Minnesota (EUA). A causa da morte ainda é desconhecida, mas sabe-se que há uma semana, terá sido levado de urgência para o hospital, depois de o seu avião privado ter feito uma aterragem de emergência. Porém, pouco depois, Prince recuperou, teve alta, e garantiu aos fãs que estava bem.

Nascido em Minneapolis, em 1958, Prince Rogers Nelson era considerado um dos nomes mais influentes da música pop, citado por dezenas de artistas pelo talento e capacidade criativa, abrangendo diversos estilos musicais, em particular soul, funk e R&B. Lançou o clássico álbum Purple Rain em 1984, sendo considerado por diversas listas importantes como um dos melhores discos de todos os tempos. Dois anos depois lançaria o clássico Kiss, canção mais icônica do cantor, que ficou no top mundial durante várias semanas. Desde então, tornou-se muito influente da indústria musical e sempre procurou inovar a cada novo trabalho.

Da sua vasta carreira o músico contabilizou: um Óscar, dois Globos de Ouro, sete Grammys, uma atuação no Super Bowl de 2007, a referência na Hall of Fame em 2004.

Em Portugal, o seu quarto e último espetáculo foi em 2013, num concerto que teve lugar no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

Prince era dos nomes mais marcantes da Pop. Um génio, multifacetado, músico prodigioso e de vários instrumentos. Perfeccionista, fanático pelo seu trabalho, com uma enorme capacidade de se reinventar e de supreender sempre. Desapareceu aos 57 anos, mas para os seus fãs e apreciadores do seu género musical será certamente eterno.