Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

24
Jul15

Kepler 452 b

 kepler452b.jpg

A missão Kepler da Nasa descobriu o primeiro exoplaneta com características semelhantes às da Terra na zona habitável do seu sistema solar, o que significa que está a uma distância a que a temperatura do planeta poderá permitir a existência de água em estado líquido. De acordo com a experiência da Terra, a água líquida é um elemento essencial para o aparecimento da vida, razão que justifica a importância dada a esse pormenor.

Este novo planeta ao qual foi dado o nome Kepler 452 b é ligeiramente maior do que a Terra e a sua rotação à volta do sol demora 385 dias - mais 5% do que a da Terra. Está localizado na constelação Cynus, a 1.400 anos-luz de distância. É também mais velho, podendo ser considerado um «primo mais velho», com seis mil milhões de anos. No entanto, investigações anteriores levam a crer que planetas com o seu tamanho podem ser rochosos.

A equipa pretende continuar a estudar este planeta, e espera que esta seja uma oportunidade para compreender o ambiente que rodeia o planeta Terra.

29
Mar14

A Hora do Planeta

 

A Hora do Planeta teve início em 2007, em Sidney, na Austrália, quando 2,2 milhões de pessoas e mais de 2.000 empresas apagaram as luzes, por uma hora, numa tomada de posição contra as mudanças climáticas.

Um ano depois, a Hora do Planeta tornou-­se um movimento de sustentabilidade global com mais de 50 milhões de pessoas em 135 países a mostrarem o seu apoio a esta causa.

Em 2013, a Hora do Planeta foi comemorada por mais dois mil milhões de pessoas, em 154 países. A ideia visa chamar a atenção para a importância de mudar comportamentos, em benefício do desenvolvimento sustentável.

Este ano, à semelhança de anos anteriores, os portugueses de 85 localidades voltam a associar-se à Hora do Planeta, apagando hoje as luzes das 20h30-21h30, alertando para a necessidade de proteger a natureza. Organizada pela WWF, a Hora do Planeta é comemorada em Portugal apenas há apenas três anos e provoca um apagão durante 60 minutos em monumentos como o Cristo-Rei, a ponte 25 de Abril, o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, os Palácios de Monserrate e Convento dos Capuchos, em Sintra, o Mosteiro da Batalha, o Castelo de Pombal, a Caravela de Lagos, o Castelo de Santa Maria da Feira e o Castelo de Bragança.

Uma iniciativa mundial que, este ano, propõe uma aula global de yoga. A aula, que será realizada à luz de velas e requer inscrição e terá lugar no Jardim da Tapada das Necessidades, onde decorrem ações de animação a partir da tarde, com demonstrações de produtos sustentáveis e massagens.

Lá fora, serão apagadas as luzes de monumentos como o Empire State Building, Tower Bridge, Castelo de Edimburgo, Portas de Brandenburgo, Torre Eiffel, Kremlin e Praça Vermelha em Moscovo, Ponte do Bósforo - que liga a Europa à Ásia - ou o edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa.

O apagão da Hora do Planeta, comemorado sempre no último sábado de março, já decorreu na Nova Zelândia, um dos primeiros países a inaugurar a campanha da organização internacional de conservação da natureza contra as mudanças climáticas.