Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

22
Mai16

TVI condenada a pagar 459 euros por notícia sobre Banif

ng6832802.jpg

A TVI foi condenada a pagar 459 euros por notícia sobre Banif. Em causa está uma notícia dada pela estação, no dia 13 de dezembro no jornal da noite, que anunciava que estava «tudo preparado para o fecho do banco» e que os depositantes iriam perder dinheiro «acima dos 100 mil euros».

No dia seguinte, as ações do Banif perderam mais de 40% e a estação de Queluz divulgou, na sua página de Internet, um esclarecimento a lamentar que a notícia «não tenha sido totalmente precisa e esclarecedora», podendo «ter induzido conclusões erradas e precipitadas sobre os destinos daquela instituição financeira».

O Banif adiantou que os sindicatos do setor bancário e clientes iriam juntar-se numa ação-crime que iria ser colocada contra a TVI.

A 20 de dezembro, foi anunciado que o Banif, um banco com 28 anos de existência, deixaria de existir tal como é conhecido, na sequência da resolução e venda ao Santander.

Na passada quarta-feira, o Diretor de Informação da TVI, Sérgio Figueiredo, declarou na comissão de inquérito ao Banif que a notícia sobre o fecho do banco, divulgada uma semana antes da resolução do banco, foi obtida por jornalistas da redação com base em «fontes documentais».

Sérgio Figueiredo foi completamente trucidado no Parlamento. A sua falta de convicção deu uma impressão fortíssima de culpa que houve na destruição do Banif. Neste caso, o jornalismo da TVI esteve em muito mal. Este jornalismo desregulado, subjugado aos grandes grupos económicos e aos seus interesses vai contra os códigos éticos e deontológicos e envergonha toda a classe jornalística, colocando-os como cúmplices deste caso, tudo a troco de ter a melhor «cacha» para captar audiências. Mas um momento triste que vai ficar na história pelos piores motivos

A Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), por outro lado, não esteve melhor. Considerou que a TVI «não auscultou o Banif, nem, aparentemente outras entidades interessadas, em momento prévio à difusão das informações identificadas e que não divulgou as fontes de onde provinha a informação».

A entidade reguladora criticou ainda o facto de a notícia ter sido dada em rodapé, considerando «uma decisão editorial criticável à luz das mais elementares boas práticas jornalísticas».

De acordo com a entidade presidida por Carlos Magno, a estação de Queluz de Baixo terá violado o Estatuto do Jornalista e o Código Deontológico da profissão aquando da publicação da notícia sobre o encerramento (e subsequente resolução do Banif). «A matéria noticiosa era dotada de relevante interesse público e jornalístico e, passível, além disso, de provocar considerável impacto na vida de muitas pessoas e nos destinos da própria sociedade portuguesa, pelo que, também por esse motivo, se justificavam cuidados redobrados na confirmação da veracidade da informação obtida e sua subsequente divulgação»

Por tudo isto a TVI é assim condenada ao pagamento da taxa por encargos administrativos no montante de 4,5 unidades de conta, ou seja, 459 euros. O canal tem 10 dias para contestar a decisão, donde se conclui, portanto que o crime compensou, uma vez que esta importância são peanuts para qualquer estação de televisão!

É simplesmente ridículo esta coima aplicada pela ERC. São estas as atitudes que envergonham um país e criam o descrédito nas instituições públicas. Lamentável!

1 comentário

Comentar post