Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

17
Abr17

Vacinar é preciso!

 

800.jpg

 

Estão a aumentar os casos de Sarampo em Portugal por prática absolutamente irresponsável de alguns pais que, propositadamente, decidem não vacinar as crianças. Esta atitude é condenável e inadmissível porque estes pais, de forma consciente, coloquem em risco a saúde dos filhos deles ... e de outros.

 

Há 23 casos de sarampo em Portugal, contabilizados desde janeiro, segundo o último balanço da Direção-Geral de Saúde. Um dos casos mais complicados, segundo noticiou o jornal Expresso, é de uma jovem de 17 anos internada no hospital de Cascais (com seis casos confirmados) que teve de ser transferida de urgência para o Hospital D. Estefânia, em Lisboa, devido ao agravamento do estado de saúde.

 

A jovem terá sido contagiada por uma criança de 13 meses, não vacinada, que depois terá também contagiado quatro funcionários do hospital, dois dos quais médicos.

 

A DGS alerta os pais para a necessidade de «vacinarem os seus filhos sem hesitação, uma vez que as vacinas estão disponíveis no país».

 

O sarampo é uma das doenças infeciosas mais contagiosas, podendo provocar lesões graves ou mesmo a morte. É evitável através da vacinação.

 

A vacinação é um dos métodos mais importante para a prevenção de doenças infecciosas. As vacinas estimulam o sistema imunológico a produzir anticorpos contra vírus ou bactérias, protegendo o indivíduo de determinadas doenças. Quando esses microorganismos entram em contato com o organismo de uma pessoa vacinada, encontram o sistema de defesa pronto para combatê-los. 

 

As vacinas não apenas protegem aqueles que as recebem, mas também ajuda a sociedade como um todo a ficar mais protegida. Quanto mais pessoas de uma comunidade ficarem protegidas, menor é a chance de qualquer uma delas – vacinada ou não – seja contaminada.