Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

13
Jan17

Viagem de António Costa à Índia

 

mw-320.jpg

 

O primeiro-ministro está na Índia, numa viagem com uma dimensão afetiva especial, uma vez que esta era terra do seu pai, Orlando Costa.

 

A viagem de Costa à Índia fez todo o sentido. O Primeiro-Ministro quer tirar proveito da sua ascendência indiana e promover a imagem de Portugal num mercado de elevado potencial (a índia tem um crescimento na ordem dos 8% ao ano). Portugal tem poucos interesses naquele país, o que não se entende, tendo em conta a História comum que liga os dois países.

 

Nesta visita de Estado, o primeiro-ministro faz-se acompanhar por cinco ministros - Negócios Estrangeiros, Defesa Nacional, Cultura, Economia, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e pelo secretário de Estado da Indústria.

 

Para o primeiro-ministro português, a relação entre Portugal e a Índia deve assentar numa parceira entre duas dimensões: a economia e a ciência.

 

Na área da ciência a comitiva visita a agência espacial e o Instituto de Tecnologia de Bangalore. No âmbito económico, António Costa e o Governo português definiram como prioridade nesta viagem à Índia, tirar partido da presença de algumas empresas nacionais que já operaram em território indiano (casos da Efacec, da Brisa ou da Visabeira) para ampliar a sua penetração neste mercado.

 

O segundo objetivo passa pelo estabelecimento de parcerias com empresas indianas, tendo em vista a entrada em mercados do sudeste asiático ou da África Oriental, onde a Índia já tem forte presença.

 

O Governo português tem neste capítulo grandes expectativas no que respeita a empresas portuguesas das áreas do ambiente (saneamento, recolha de lixo e abastecimento de água), da defesa (a Índia é um dos principais compradores mundiais de armamento) e das startups.

 

Recorde-se que as startups indianas já tiveram uma forte presença na última Web Summit que teve lugar em Lisboa, em novembro passado. Ainda no decurso desta viagem, no Instituto Universitário de Bangalore, juntamente com o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, António Costa participou num evento dedicado às statups, tendo assinado um memorando entre a MoU Statup Portugal e a Invest Índia.

 

Para além da dimensão económica e científica, Portugal aproveita esta visita para reforçar igualmente a relação política com a Índia, após o corte de relações, na sequência da invasão de Goa em 1961, que duravam há mais de 450 anos. Após esse corte,  a relação entre os dois países está agora pacificada. As visitas de Estado iniciaram-se com Mário Soares, depois com Cavaco Silva e uma visita com José Sócrates.

 

A viagem à Índia terminará em Goa com um encontro entre António Costa e empresários da indústria de cinema de Bollywood, numa tentativa para captar para Portugal investimentos desta importante indústria cinematográfica.