Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qua | 01.01.14

Mensagem do Papa Francisco no Dia Mundial da Paz

narrativadiaria

 

FRATERNIDADE, FUNDAMENTO E CAMINHO PARA A PAZ – é o tema do Dia Mundial da Paz 2014, que a Igreja promove e celebra a 1 de Janeiro. O Dia Mundial da Paz começou a ser celebrado no pontificado do Papa Paulo VI no primeiro dia do ano e a mensagem tem por objetivo «destacar o valor essencial da paz e a necessidade de trabalhar incansavelmente para o conseguir».

A data comemorativa pela paz será a primeira do pontificado do Papa Francisco. Na sua primeira Mensagem o Sumo Pontífice começa por referir que «a fraternidade é uma dimensão essencial do homem, sendo ele um ser relacional. A consciência viva desta dimensão relacional leva-nos a ver e tratar cada pessoa como uma verdadeira irmã e um verdadeiro irmão; sem tal consciência, torna-se impossível a construção duma sociedade justa, duma paz firme e duradoura».

«E convém desde já lembrar que a fraternidade se começa a aprender habitualmente no seio da família, graças sobretudo às funções responsáveis e complementares de todos os seus membros,mormente do pai e da mãe. A família é a fonte de toda a fraternidade, sendo por isso mesmo também o fundamento e o caminho primário para a paz, já que, por vocação, deveria contagiar o mundo com o seu amor».

«A fraternidade diz respeito a todos os aspetos da vida, incluindo a economia, as finanças, a sociedade civil, a política, a investigação, o desenvolvimento, as instituições públicas e culturais», adverte. As graves crises financeiras e económicas dos nossos dias – que têm a sua origem no progressivo afastamento do homem de Deus e do próximo, com a ambição desmedida de bens materiais, por um lado, e o empobrecimento das relações interpessoais e comunitárias, por outro – impeliu muitas pessoas em buscar o bem-estar, a felicidade e a segurança no consumo e no lucro fora de toda a lógica duma economia saudável». «A globalização da indiferença deve ser substituída por uma globalização da fraternidade». As sucessivas crises económicas devem levar a repensar adequadamente os modelos de desenvolvimento económico e a mudar os estilos de vida. A crise atual, com pesadas consequências na vida das pessoas, pode ser também uma ocasião propícia para recuperar as virtudes da prudência, temperança, justiça e fortaleza. Elas podem ajudar-nos a superar os momentos difíceis e a redescobrir os laços fraternos que nos unem, com a confiança profunda de que o homem tem necessidade e é capaz de algo mais do que a maximização do próprio lucro individual.

Desde o início do pontificado, o Papa Francisco tem sublinhado a importância de superar uma “cultura do descartável” e promover a “cultura do encontro”, para se conseguir um mundo mais justo e pacífico. «Perante os múltiplos dramas que afetam a família dos povos - pobreza, fome, subdesenvolvimento, conflitos bélicos, migrações, poluição, desigualdade, injustiça, crime organizado, fundamentalismos -, a fraternidade é fundamento e caminho para a paz», sublinha o Santo Padre.

A mensagem Papal destaca a importância de ser «solidário contra a desigualdade e a pobreza que enfraquecem a vida social». A solidariedade cristã pressupõe que o próximo seja amado não só como «um ser humano com os seus direitos e a sua igualdade fundamental em relação a todos os demais, mas [como] a imagem viva de Deus Pai, resgatada pelo sangue de Jesus Cristo e tornada objeto da ação permanente do Espírito Santo», como um irmão.

Na sua última parte, a mensagem de Sua Santidade dirige «um forte apelo a quantos semeiam violência e morte, com as armas» (…) «Renunciai à via das armas e ide ao encontro do outro com o diálogo, o perdão e a reconciliação para reconstruir a justiça, a confiança e esperança ao vosso redor!

A Mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz 2014 conclui recordando que é preciso descobrir, amar, experimentar, anunciar e testemunhar a fraternidade, contudo «só o amor dado por Deus nos permite acolher e viver plenamente a fraternidade».