Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sex | 03.01.14

Que calibre!

narrativadiaria

 

O Governo já encontrou um  "plano B" para responder à inconstitucionalidade da convergência de pensões que havia deixado um buraco de 388 milhões no Orçamento do Estado para 2014. Para o efeito, decidiu alargar a base de incidência da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) a partir de mil euros por mês e exigir aos funcionários públicos que descontem 3% para a ADSE, já que o aumento do IVA, segundo afirmam,  está "definitivamente" posto de parte. O alargamento da base de incidência da CES abrangerá mais 2,2% dos pensionistas do regime geral da Segurança Social, deixando de fora 95%. A estes, juntam-se os da Caixa Geral de Aposentações. Haverá, portanto, mais pensionistas a pagar e os que já pagam terão uma fatura maior, devido à recomposição dos escalões. Estas medidas visam “recalibrar” a Contribuição Extraordinária de Solidariedade, alargando moderadamente a sua base de incidência para o ano de 2014. O alvo deste executivo é sempre o mesmo: os funcionários públicos, os reformados e os pensionistas, grupos pelos quais o governo tem uma profunda obsessão. Este Governo ainda não percebeu o que é uma distribuição equitativa dos sacrifícios, também não lhes convém, diga-se, porque dessa forma a calibragem efetuada teria necessariamente de ser mais abrangente e com efeitos mais perniciosos para os calibradores.