Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sab | 04.01.14

Ciclistas passam a ter mais direitos com o novo Código da Estrada

narrativadiaria

Desde o início dos anos que entrou em vigor a revisão do Código da Estrada. De acordo com as novas regras, os ciclistas vão passar a ter mais direitos: passam a poder circular nas bermas (dantes tinham de o fazer o mais encostados à direita possível), têm prioridade se circularem pela direita, como qualquer veículo, podem circular em corredores BUS desde que as câmaras municipais autorizem e os automóveis devem ceder-lhes a passagem sempre que circulem em ciclovias, devendo guardar uma distância mínima lateral de 1,5 metros, sempre que quiser ultrapassá-los.

Esta norma, como adverte o presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, José Trigoso, vai, provavelmente, aumentar o risco de acidentes, uma vez que «obriga os automóveis a invadir a via de trânsito destinada ao sentido contrário», acrescentando que este limite mínimo não existe em mais nenhum país.

Há outras mudanças que José Trigoso vê com apreensão. É a circunstância de, a partir de agora, ser permitido que dois ciclistas viajem lado a lado, com exceção de vias com pouca visibilidade ou com muito tráfego. Trigoso afirma que esta norma vai expô-los a um maior risco, por originar situações ambíguas, como seja o facto de saber o ciclista saber se determinada via tem ou não visibilidade reduzida. «No mínimo, deveriam ser sinalizadas as vias onde se entende que os ciclistas podem circular a par, para que os outros condutores possam adaptar o seu comportamento», salienta.

Se os ciclistas tiverem menos de dez anos vão poder circular em passeios. José Trigoso considera completamente errada esta medida, dado que os passeios devem ser destinados aos peões, devendo garantir-lhes o máximo de segurança, sublinha. O especialista critica, ainda, o facto de este alargamento de direitos aos ciclistas excluir um seguro de responsabilidade civil.