Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 22.01.15

Adoção por casais homossexuais volta a ser rejeitada

 duas-mães.jpg

Sem surpresa, a maioria da bancada do PSD e os deputados do CDS-PP voltaram a chumbar os projetos do BE, PS e PEV que visavam permitir aos casais homossexuais a possibilidade de adoção. 

A maioria dos deputados do PS votou a favor dos quatro diplomas em causa, que contaram com os votos favoráveis da totalidade das bancadas do PCP, do BE e do PEV.

Na bancada do PSD, onde havia liberdade de voto, houve entre cinco e sete deputados a votarem favoravelmente os projetos de lei, e entre cinco e oito abstenções. Os sociais-democratas Sérgio Azevedo, Teresa Leal Coelho, Cristóvão Norte e Francisca Almeida votaram a favor tanto do diploma do BE centrado na procriação medicamente assistida como dos projetos do BE, PS e PEV para eliminação das restrições à adoção de crianças por casais do mesmo sexo. 

No PS, as votações dissidentes nunca mudaram: António Cardoso, António Braga e João Portugal estiveram sempre contra, enquanto Renato Sampaio, Miguel Laranjeiro, José Junqueiro e Isabel Oneto abstiveram-se em relação a todas as iniciativas legislativas.

Uma vez mais o preconceito sobrepôs-se à consciência!

Qua | 21.01.15

Impostos explicados através de peças LEGO

Durante a Comissão de Orçamento e Finanças, na Assembleia da República, o deputado do PCP, Paulo Sá, protagonizou um momento insólito. Recorreu a peças de LEGO para comprovar que o governo, ao contrário do afirmou, não reduziu a carga fiscal que recai sobre as famílias.

«O Governo inventou a fiscalidade verde e transformou aquilo que eram impostos diretos em impostos indiretos, curiosamente quase o mesmo valor, 160 milhões de euros. Aquilo que foi retirado por um lado é colocado agora sobre a forma de fiscalidade verde», explicou o deputado comunista, à medida que ia ilustrando a explicação retirando e acrescentando peças de LEGO de cores diferentes de uma construção que tinha em cima da mesa.

Qua | 21.01.15

Urgências Hospitares

ng3861796.jpg

São já oito os casos de mortes ocorridas nas urgências hospitalares no espaço de um mês. Os tempos de espera nas urgências, para já não falar dos casos de morte, mostram que o Sistema Nacional de Saúde está a enfrentar problemas muito sérios e que estes não são problemas conjunturais, provocados pelo pico de gripe ou pelo frio, mas sim problemas estruturais que se vêm arrastando há algum tempo.

O desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde, a limitação na contratação de profissionais de saúde, o incentivo à precariedade e à emigração conduziu a uma enorme carência de profissionais de saúde, à redução da capacidade de resposta das unidades hospitalares e à degradação dos cuidados de saúde prestados.

A subcontratação de profissionais de saúde em falta através de empresas de trabalho temporário é um falso problema, porque implica uma enorme rotatividade dos profissionais de saúde, consumindo recursos financeiros que poderiam ser canalizados para a contratação de profissionais de saúde integrados numa carreira, garantindo os seus direitos e a sua progressão profissional.

A resolução do problema obviamente não se compadece com remendos. É preciso de uma vez por todas por fim à contratação de empresas e integrar nos quadros os profissionais de saúde em falta, criando condições para a sua fixação e valorizando as suas carreiras.

Uma situação de espera de 22 horas numa urgência hospitalar é intolerável. O Estado deve assegurar serviços de saúde que permitam a todas as pessoas ser assistidas com dignidade. Trata-se de um direito básico de quem recorre ao SNS e de quem não tem meios para pagar cuidados privados, porque não dispõem de seguros ou de outros subsistemas de saúde.

Uma das principais funções da governação tem que ver com a prestação de serviços de saúde condignos. O dinheiro público é escasso, todos sabemos, mas a saúde é uma área que tem que ser vista como prioritária. E todos os profissionais de saúde têm que estar empenhados e motivados a prestar um serviço de qualidade.

Seg | 19.01.15

O eterno candidato

 

 imagesKFP5Q7S8.jpg

A incerteza quanto ao futuro político de António Guterres e a recente sondagem publicada neste fim-de-semana no semanário Expresso , segundo a qual apontava  António Vitorino, à semelhança de António Guterres, como o melhor candidato posicionado para derrotar os candidatos 'presidenciáveis' da direita, como Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio e Santana Lopes, trouxe novamente para a ribalta o nome de ex-ministro de António Guterres, colocando-o como putativo candidato às presidenciais.

Ninguém duvida que Vitorino reúne um conjunto de excelentes qualidades para poder ser um excelente Presidente da República, mas como referiu António Costa, «não compete ao PS escolher candidatos presidenciais», embora o líder socialista já tenha manifestado o seu desejo de ver o seu ‘camarada’ de partido, António Vitorino perfilar-se como candidato presidencial em 2016, mas é sobretudo necessário que o próprio candidato mostre a sua vontade de querer ir a jogo.

António Vitorino, por seu lado, vai sacudindo a pressão, dizendo que «ainda muita água vai correr debaixo da ponte» em matéria de presidenciais, embora se perceba que  Vitorino se sente confortável no papel de “eterno candidato”, porque também é disso que se alimenta o seu ego, o seu prestígio, a sua influência e os vários cargos que ocupa em administrações das mais prestigiantes empresas do país, que dificilmente trocará  por um lugar em Belém... 

Mas, nada é impossível. Pode ser que seja desta vez que António Costa o consiga convencer a avançar!

Dom | 18.01.15

Por que é que tantos são Charlie e quase nenhum é Baga?

 

Charge_Juniao_12_01_2014_Charlie_Hebdo_vs_NigeriaB

Durante os últimos dias tenho lido aqui e ali que os media deram grande visibilidade aos ataques de Paris e praticamente ignoraram o que passa na Nigéria.

Na verdade, na mesma altura do atentado ao jornal Charlie Hebdo, na Nigéria, o Boko Haram, numa ofensiva para controlar uma cidade nigeriana de Baga, fez mais de 2000 mortes.

No dia a seguir, ao mesmo tempo que todos tínhamos os olhos postos em Paris, quando um terrorista fez reféns um grupo de pessoas num supermercado, três mulheres suicidas mataram mais de 20 pessoas na Nigéria.

Por que é que tantos são Charlie e quase nenhum é Baga?

Na minha opinião há algumas explicações que nos ajudam a perceber essa diferença de tratamento entre as duas chacinas: o facto de o ataque de Paris ter acontecido num país europeu aqui tão perto,é uma circunstância que nos impressiona  e que não nos coloca a salvo de podermos ser nós também vítimas de um atentado semelhante e nessa medida toca-nos mais. A circunstância de quase em simultâneo estes acontecimentos entraram-nos pela casa dentro, através da televisão e das redes sociais, também contribui para que o choque seja maior. O caso de vermos, pouco tempo depois de ter acontecido, a execução do polícia Ahmed num passeio de uma rua em Paris, é um ‘murro no estômago’ que atinge-nos com alguma violência, pois apercebemo-nos mais facilmente que podia acontecer connosco. Afinal, Paris é logo aqui ao lado!

Depois, o facto de tanto na Nigéria, como na Síria, no Iraque e no Afeganistão existir uma guerra civil, envolvendo vários grupos e vária etnias, há alguns anos, quer queiramos, quer não, vulgariza as tragédias que ocorrem nesses países. A circunstância de diariamente ser noticiados atentados naqueles países, ao fim de algum tempo leva-nos a encarar as mortes no Médio Oriente, as explosões na Palestina, as trocas de tiros no Leste da Ucrânia, as execuções no norte do México deixam como uma não notícia porque tornam-se banais, é no fundo o modus vivendi daqueles países.

Mas quando acontece uma tragédia, um ataque terrorista mais perto de nós, em países onde supostamente reina a paz, sem acontecimentos desta natureza, isto choca-nos e mobiliza-nos.

Não tenho dúvidas que se em França os ataques terroristas começassem a ser constantes, seriam provavelmente tratados com o mesmo nível de atenção e mobilização pelo resto do mundo, como os ataques recentes da Nigéria.

Somos muito influenciados pelos acontecimentos da atualidade que são divulgados nos media e através da Internet. É por isso que já ninguém se recorda muito bem dos ataques dos talibans a uma escola no Paquistão, que fizeram pelo menos 141 mortos, na grande maioria crianças, assim como ninguém valoriza muito a situação vivida no Leste da Ucrânia, porque outros acontecimentos passaram a ser notícia.

Isto para concluir que é injusto que o mundo apenas se revolte com os atentados de França, quando crimes bem maiores acontecem diariamente no resto do mundo e que apenas têm direito a uma pequena ‘nota de rodapé’.

Mas é compreensível que os casos sejam tratados de forma diferente, porque sendo iguais na sua essência, são diferentes quanto à forma como são percecionados.

Sab | 17.01.15

O governo recuou nos despedimentos na TAP

tapires-23e4.jpg

Um dia após as primeiras afirmações de responsáveis da Economia, o primeiro-ministro, no Parlamento, contradisse o ministro Pires de Lima e o secretário de Estado dos Transportes, relativamente aos eventuais despedimentos na TAP, previstos no caderno de encargos do processo de privatização, esclarecendo que a proteção contra o despedimento coletivo durante dois anos e meio se aplica a todos os trabalhadores, porque é isso justamente que impõe a Lei Geral do Trabalho. 

O ministério da economia previu uma discriminação entre os trabalhadores da TAP representados pelos diferentes sindicatos que assinaram o acordo com o Governo e os que ficaram de fora - e essa foi a ideia transmitida pelo secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro aquando da comunicação que se seguiu ao Conselho de Ministros de quinta-feira.

Contudo, depois das críticas lançadas, inclusive de quadrantes do PSD e CDS, houve um recuo, nada aliás que não estejamos habituados a assistir com este governo, e Passos Coelho deu o dito por não dito e esclareceu que estar garantido o emprego a todos os trabalhadores da TAP, independentemente do sindicato em que estejam filiados, durante 30 meses, ou seja, enquanto o Estado mantiver a posição de acionista na empresa.

Sab | 17.01.15

Carlos Cruz e Jorge Ritto perdem condecorações

Ordem do Infante.jpg

Carlos Cruz e Jorge Ritto, dois dos condenados no processo Casa Pia, vão perder a condecoração da Ordem do Infante. O Conselho das Ordens Nacionais já confirmou a abertura dos processos de «irradiação».

Carlos Cruz foi condecorado em 2000 por Jorge Sampaio com a Grande Ordem do Infante D. Henrique, pelo reconhecimento do trabalho desenvolvido na Comissão do Euro 2004, no qual se envolveu profundamente.

Antes, em 1991, Jorge Ritto havia sido agraciado por Mário Soares com o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique, pelos serviços prestados ao país nas várias embaixadas onde esteve colocado.

Pergunto: e Zeinal Bava, um dos responsáveis máximos da gestão danosa da PT, que fora condecorado pelo Presidente da República, Cavaco Silva em 2012 com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial, pelo reconhecimento do trabalho que desenvolveu na PT, não lhe deveria ser agora retirada a dita medalhinha por ter conseguido destruir a melhor empresa de telecomunicações do país e porventura da Europa, e que como recompensa foi dispensado com direito a um "subsídio de desemprego" de 150 mil euros por mês, durante 3 anos? Não deveria o Presidente da Republica comunicar a Bava que devolva a condecoração, por manifesto erro na sua atribuição?

É que nestas coisas não podem existir «dois pesos e duas medidas». Ou há moralidade ou….

Sex | 16.01.15

Garantia de emprego na TAP após privatização só para 9 sindicatos

 images74M0E6U2.jpg

O Governo aprovou ontem em Conselho de Ministros o caderno de encargos para a venda da TAP. A intenção do Executivo é vender 66% da companhia – 5% serão dedicados aos trabalhadores – mantendo 34% do capital na esfera pública.

Entre os critérios de seleção do comprador contam-se o valor de compra apresentado, a contribuição para o reforço financeiro da TAP, a apresentação de um projeto estratégico para o crescimento da empresa, a garantia do serviço público, a contribuição para a economia nacional, a ausência de condicionantes jurídicas e a experiência técnica e de gestão.

Uma das novidades do caderno de encargos aprovado, em relação à versão anterior, é a inclusão de garantias de não despedimentos coletivos, enquanto o Estado se mantiver como acionista.

Contudo, de acordo com a tutela, estas garantias serão válidas apenas para o universo dos nove sindicatos que celebraram um memorando com o Executivo e desconvocaram a greve de quatro dias, marcada justamente para contestar a venda da companhia pelo Estado.

De fora, ficaram o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), que dizem representar mais de 60% dos trabalhadores da TAP.

Alguns especialistas em direito do trabalho já afirmaram que o Governo não pode discriminar os trabalhadores da TAP, nomeadamente na proteção do seu emprego, consoante a filiação sindical, sob pena de contrariar as disposições legais, as quais têm natureza imperativa e de este procedimento discriminatório ser considerado um ato nulo, sem qualquer efeito jurídico.

Qui | 15.01.15

Nomeados para os Óscares 2015

oscares15_nomeados.jpg

 

Já foram anunciados os nomeados dos Óscares 2015. A cerimónia de entrega dos prémios mais importantes do cinema realiza-se a 22 de Fevereiro, em Los Angeles.

Filme

  • American Sniper
  • Birdman
  • Boyhood
  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Selma
  • The Theory Of Everything
  • Whiplash

Realizador

  • Alejandro González Iñárittu, Birdman
  • Richard Linklater, Boyhood
  • Bennett Miller, Foxcatcher
  • Wes Anderson, The Grand Budapest Hotel
  • Morten Tyldum, The Imitation Game

Ator Principal

  • Steve Carell (Foxcatcher)
  • Bradley Cooper (American Sniper)
  • Benedict Cumberbatch (The Imitation Game)
  • Michael Keaton (Birdman)
  • Eddie Redmayne (The Theory Of Everything)

Atriz Principal

  • Marion Cotillar (Two Days, One Night)
  • Felicity Jones (The Theory Of Everything)
  • Julianne Moore (Still Alice)
  • Rosamund Pike (Gone Girl)
  • Reese Witherspoon (Wild)

Ator Secundário

  • Robert Duvall (The Judge)
  • Ethan Hawke (Boyhood)
  • Edward Norton (Birdman)
  • Mark Ruffalo (Foxcatcher)
  • J.K. Simmons (Whiplash)

Atriz Secundária

  • Patricia Arquette (Boyhood)
  • Laura Dern (Wild)
  • Keira Knightly (The Imitation Game)
  • Emma Stone (Birdman)
  • Meryl Streep (Into the Woods)

Argumento Original

  • Birdman
  • Boyhood
  • Foxcatcher
  • The Grand Budapest Hotel
  • Nightcrawler

Argumento Adaptado

  • American Sniper
  • The Imitation Game
  • Inherent Vice
  • The Theory Of Everything
  • Whiplash

Filme em Língua Estrangeira

  • Ida (Poland)
  • Leviathan (Russia
  • Tangerines (Estonia)
  • Timbuktu (Mauritania)
  • Wild Tales (Argentina)

Filme de Animação

  • Big Hero 6
  • The Boxtrolls
  • How To Train Your Dragon 2
  • Song Of The Sea
  • The Tale Of The Princess Kaguya

Curta Metragem de Animação

  • The Bigger Picture
  • The Dam Keeper
  • Feast
  • Me And My Moulton
  • A Single Life

Curta Metragem em Live Action

  • Aya
  • Boogaloo And Graham
  • Butter Lamp (La Lampe Au Beurre De Yak)
  • Parvaneh
  • The Phone Call

Documentário

  • Citizenfour
  • Finding Vivian Maier
  • Last Days In Vietman
  • The Salt Of The Earth
  • Virunga

Documentário em Curta Metragem

  • Crisis Hotline: Veterans Press 1
  • Joanna
  • Our Curse
  • The Reaper (La Parka)
  • White Earth

Cinematografia

  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Interstellar
  • Into The Woods
  • Mr. Turner

Guarda Roupa

  • The Grand Budapest Hotel
  • Inherent Vice
  • Into The Woods
  • Maleficent
  • Mr. Turner

Maquilhagem

  • Foxcatcher
  • The Grand Budapest Hotel
  • Guardians Of The Galaxy

Edição

  • American Sniper
  • Boyhood
  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Whiplash

Efeitos Visuais

  • Captain America: The Winter Soldier
  • Dawn Of The Planet Of The Apes
  • Guardians Of The Galaxy
  • Interstellar
  • X-Men: Days Of The Future Past

Mistura de Som

  • American Sniper
  • Birdman
  • Interstellar
  • Unbroken
  • Whiplash

Edição de Som

  • American Sniper
  • Birdman
  • The Hobbit: The Battle Of The Five Armies
  • Interstellar
  • Unbroken

Banda Sonora Original

  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Interstellar
  • Mr. Turner
  • The Theory Of Everything

Canção Original

  • “Everything is Awesome”, The Lego Movie
  • “Glory”, Selma
  • “Grateful”, Beyond The Lights
  • “I’m Not Gonna Miss You”, Glen Campbell… I’ll Be Me
  • “Lost Stars”, Begin Again

Direcção de Arte

  • The Grand Budapest Hotel
  • The Imitation Game
  • Interstellar
  • Into The Woods
  • Mr. Turner
Qua | 14.01.15

«Tout est pardonné»

17920843_GulPL.png

«Tudo se perdoa» é o título que aparece hoje na primeira página da edição do semanário satírico francês Charlie Hebdo, que foi hoje para as bancas e que terá uma tiragem de três milhões de exemplares (em vez dos habituais 60.000) que esgotou em minutos nesta quarta-feira em toda a França.

O semanário satírico foi executado na redação do periódico francês Liberation, que cedeu o espaço para que a edição do jornal possa continuar a ser feita.

As receitas da venda do primeiro milhão de exemplares desta edição, que está a ser feita pelos sobreviventes ao atentado, reverterão integralmente para o jornal Charlie Hebdo, tendo a rede de distribuição aceitado trabalhar pro bono.