Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Ter | 06.01.15

Dia de Reis

 

O Dia de Reis que hoje se comemora, segundo a tradição cristã, seria aquele em que Jesus Cristo, recém-nascido, recebera a visita de três Reis Magos.

Os três Reis Magos surgem como sábios vindos do Oriente com o propósito de venerarem o Menino Jesus, o novo Rei dos Judeus que tinha nascido.

O caminho até Belém onde se encontrava o Menino, é-lhes indicado por uma estrela, a Estrela de Belém e devido à grande distância percorrida pelos Reis Magos até lá, diz-se que a visita destes se fez no dia 6 de Janeiro.

É no Evangelho de S. Mateus que encontramos a única referência à existência dos Reis Magos. Foi no séc. V que Orígenes, erudito da igreja antiga e Leão Magno, sacerdote e mais tarde Papa e Santo, lhes conferem o título de Reis Magos. E só no séc. VII é que lhe foram atribuídos nomes: Gaspar ("aquele que vai inspeccionar), Baltazar ("Deus manifesta o Rei") e Belchior/Melchior/Melquior ("meu Rei é luz"). No séc. XV é associada uma raça a cada um dos Reis Magos, de modo a representar toda a raça humana que se conhecia na época.

Na antiguidade, era costume oferecer-se ouro a um Rei, incenso a um Sacerdote e mirra a um Profeta. Por isso Belchior, de raça branca, ofereceu ouro reconhecendo-Lhe realeza; Gaspar, representando a raça amarela, ofereceu-Lhe incenso atribuindo-lhe divindade e, finalmente Baltazar, de raça negra, ofereceu mirra que representava a imortalidade.

Actualmente, os Reis Magos fazem parte da simbologia de Natal, nomeadamente pelas suas figuras, que são colocadas junto ao presépio. Celebram o nascimento de Jesus, através da sua visita e da oferta de presentes, criando-se a tradição de trocar prendas nesta época festiva. Daí que, em países como a Espanha, se proceda à troca de prendas só no dia 6 de Janeiro.

Por cá, come-se o tradicional Bolo-Rei e nas aldeias do interior é usual as pessoas juntarem-se e irem de porta em porta cantar as janeiras. O canto é acompanhado por instrumentos populares como: o reco – reco, os ferrinhos, o bombo,o acordeão e a viola. Depois de cantarem, os donos da casa, convidam os 'reizeiros' a entrar e oferecem-lhes comida e bebida.

Seg | 05.01.15

Santana Lopes admite candidatar-se a Belém

imagesNY04W7VK.jpg

O sempre previsível Pedro Santana Lopes admitiu ao Diário de Notícias a sua candidatura a Belém. A decisão não é definitiva e só será revelada lá para a Primavera, mas Santana promete não se excluir nas opções do centro-direita, ainda que Marcelo decida candidatar-se.

O antigo primeiro-ministro nunca escondeu a sua vontade de ocupar o Palácio de Belém e há muito que fez saber isso. O problema não é Santana Lopes não conhecer o princípio de Peter. Para ele, isso nunca foi um problema, porque no fundo, com mais ou menos incompetência, tem feito o seu caminho, e sempre tem conseguido arranjar os apoios necessários para conseguir os seus objetivos.

Por isso, Santana Lopes sempre acreditou que Passos Coelho lhe daria a mão para chegar a Belém, o problema era Durão Barroso. Mas  Barroso depressa percebeu que a maré não lhe corria de feição, o abandono do governo em 2005 ainda estava bem presente na memória dos portugueses e para gáudio de Santana, pôs-se fora da corrida.

Marcelo Rebelo de Sousa não será também um problema de maior. Há muito que Passos Coelho tratara de desenhar um perfil presidenciável à medida,  para o lançar borda fora. Mesmo que se candidate não terá, provavelmente o apoio do seu partido.

Por isso, caminho aberto para Santana que já tem até uma página do Facebook - «Pedro santana Lopes 2016». Para usar uma expressão muito cara ao próprio, «está escrito nas estrelas» que Santana irá ser candidato presidencial.

Dom | 04.01.15

E porque hoje é domingo...

Bolo-de-Azeite-e-Mel.jpg

 ... nada como partilhar esta receita do bolo de nozes, com mel e canela, que fiz para o Natal, mas que é também delicioso para saborear com um chá ao fim da tarde. Espero que gostem!

Ingredientes:

3 ovos inteiros
200 g açúcar amarelo
60 ml azeite
4 colheres de sopa, de mel
120 ml leite 

220 g farinha
2 colheres (chá) fermento em pó
1 colher de sobremesa de canela em pó
1 pitada de flor de sal

Raspa de um limão
100 g de nozes, picadas grosseiramente 

Preparação:
Pré-aquecer o forno a 180º C. Untar muito bem a forma com manteiga e farinha.

Bata os ovos com o açúcar. Acrescente o azeite, o mel, o leite e a raspa de limão e bata até obter uma mistura homogénea.

Numa outra tigela, peneire a farinha, o fermento em pó, a canela e o sal. Junte as nozes e envolva delicadamente os ingredientes secos na mistura de ovos.
Deite na forma e leve ao forno aquecido cerca de 35/40 minutos.

Sab | 03.01.15

A questão presidencial no PS

_69615582_69615413.jpg

Ontem a imprensa avançava que o atual alto-comissário da ONU para os refugiados, António Guterres, poderia estar em vias de ver o seu mandato à frente da organização internacional prolongado até Dezembro de 2015, o que, a concretizar-se, poderia inviabilizar uma eventual candidatura a Belém, dado que as presidenciais terão lugar exatamente daqui a um ano.

Porém, hoje, alguns jornais, nomeadamente DN, Público, apresentam outra versão, destacando que Guterres não exclui a possibilidade de substituir Cavaco Silva na Presidência, ainda que também não admita tal hipótese.

Conforme explicou ao Expresso, «é uma simples questão técnica que Nova Iorque está a analisar, dado que excecionalmente eu comecei em junho por causa do problema do meu predecessor e não é claro se devo acabar em junho ou, como é normal, no fim do ano». E acentuou que: «Independentemente da interpretação que vingar, eu sou sempre livre de decidir a minha vida. Tudo isto é, portanto, muita parra e pouca uva».

António Guterres é neste momento apontado pelas sondagens como o favorito dos portugueses para ser o próximo presidente da República. Vence todos os duelos com candidatos à Direita e à Esquerda.

Não tenho dúvidas que Guterres seria um excelente presidente da República. É um homem muitíssimo bem preparado, sabe dialogar e estabelecer pontes como ninguém, ‘tem mundo’, é uma figura mobilizadora e carismática e a sua dimensão moral e solidária fizeram dele um político único em quem não hesitaria em votar, caso se apresentasse a sufrágio.

Porém,  se o antigo primeiro-ministro optar por uma eventual sucessão a Ban Ki-moon como secretário-geral da ONU, será certamente um cargo para o qual também apresenta enormes atributos e que muito dignificará o País. A sua enorme cultura, a sua formação solidária e cívica e todas as qualidades que lhe reconhecemos adaptam-se perfeitamente ao cargo da ONU.

O pior é que o PS e António Costa que ficarão sem o seu candidato presidencial preferido, ainda que outros nomes tenham vindo a público perante a indisponibilidade de Guterres, como Sampaio da Nóvoa ou Jaime Gama.

Jaime Gama não me parece uma figura mobilizadora nem carismática. Apesar de bem preparado intelectualmente, indo o jogo, poderá ser facilmente derrotado pelo populista Marcelo, uma vez que Gama tem um perfil mais distante, mais crispado, com um discurso demasiado elaborado, não me parece, salvo melhor opinião, uma escolha ganhadora.

O ex-reitor da Universidade de Lisboa é outro dos nomes possíveis para uma candidatura presidencial, com apoio dos socialistas, esta poderia ser uma hipótese não despicienda.

Sampaio da Nóvoa já disse estar disponível para avançar com uma candidatura a Belém e para «todos os projetos que contribuam para mudar Portugal». Na opinião deste académico, «Portugal precisa de abrir um caminho novo e um tempo novo. Eu contribuirei na medida das minhas possibilidades, seja para que lugar for. Não quero nada, estou disposto a tudo, no sentido em que não ambiciono cargos»,

Sobre o perfil do futuro Chefe de Estado, Sampaio da Nóvoa acredita que «é preciso ter um Presidente que entre em diálogo com os portugueses, que esteja presente, que comunique diretamente com os portugueses, que os ouça todos os dias».

 Recorde-se que o discurso de Sampaio da Nóvoa foi um dos mais aplaudidos durante a tarde do primeiro dia do congresso do PS «Neste momento tão duro, ninguém tem o direito de ficar em silêncio». Porque «não quero a minha pátria parada à beira de um rio triste» referiu então. 

Acresce que Nóvoa teria, quanto a mim, a vantagem superlativa – a de ser um candidato independente – e, nessa medida, poder ser apoiado por outras forças políticas. 

Sex | 02.01.15

Declarações de José Eduardo na RTP Informação

8983_10202535150333705_7479506921271344251_n.jpg

José Eduardo, antigo jogador do Sporting, em entrevista à RTP Informação, voltou a criticar Marco Silva, frisando que o treinador tem «uma agenda própria» e que não respeita o projeto do Sporting, isso foi visível, segundo o próprio, nos jogos da Taça de Portugal com o Vizela e o Espinho, quando Marco não utilizou jogadores da equipa B, seguindo aquela que é a intenção do clube em apostar nos jogadores da formação. «O Marco Silva não pode ter um projeto antagónico ao do Sporting», afirmou, acrescentando que ele «não tem cultura sportinguista».

Mas do mesmo modo que Jose Eduardo afirma que Marco Silva tem uma agenda própria não será também legítimo os sócios e simpatizantes do clube de Alvalade questionarem qual o interesse do antigo jogador em todo este processo, no qual se tem envolvido à exaustão? É que a imagem que passa é que José Eduardo terá também a sua própria agenda.

Ele (Jose Eduardo) e  Bruno de Carvalho, um génio, na sua opinião, estão «alinhados». O treinador, um «rapaz», não percebe que o Sporting não tem dinheiro. Quer reforços e tem a distinta lata de o dizer publicamente!

Mas o antigo jogador foi mais longe ao questionar a origem das notícias sobre a necessidade de reforçar o plantel: «Falou-se na necessidade de contratar um defesa-central, mas se calhar, em Guimarães, ficou mostrado que está ali um à mão», dando a entender interesses implícitos de Marco Silva eventualmente com o apoio do seu empresário ou de outras entidades na contratação de jogadores, para daí retirar dividendos. E falou mesmo na existência de um «conluio».

Mas, a bem do Sporting, as afirmações proferidas na RTP pelo antigo jogador são gravíssimas e não podem passar incólumes. Depois disto resta apenas duas opções: ou o SCP, pela voz do seu Presidente se demarca das palavras proferidas pelo sócio e ex-jogador José Eduardo ou, pelo contrário, assume que o que foi declarado por José Eduardo na RTP Informação, e nesse caso, só há uma saída possível: a rescisão com o treinador do Sporting.

Qui | 01.01.15

«Ano Novo, vida nova»

img11012013140415.jpg

Conhecemos bem esta expressão «Ano Novo, vida nova» que ano após ano vamos repetindo.Mas desta vez será diferente. Em 2015 é que é! Pois...

 

Ficção de que começa alguma coisa!
Nada começa: tudo continua.
Na fluida e incerta essência misteriosa
Da vida, flui em sombra a água nua.
Curvas do rio escondem só o movimento.
O mesmo rio flui onde se vê.
Começar só começa em pensamento

 

Fernando Pessoa

***

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 

cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 

Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 

(mal vivido talvez ou sem sentido)  

para você ganhar um ano 

não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 

mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 

novo  até no coração das coisas menos percebidas 

(a começar pelo seu interior)  

novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 

mas com ele se come, se passeia, 

se ama, se compreende, se trabalha, 

você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 

não precisa expedir nem receber mensagens 

(planta recebe mensagens? 

passa telegramas?) 

 

Não precisa 

fazer lista de boas intenções 

para arquivá-las na gaveta. 

Não precisa chorar arrependido 

pelas besteiras consumadas 

nem parvamente acreditar 

que por decreto de esperança 

a partir de janeiro as coisas mudem 

e seja tudo claridade, recompensa, 

justiça entre os homens e as nações, 

liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 

direitos respeitados, começando 

pelo direito augusto de viver. 

 

Para ganhar um Ano Novo 

que mereça este nome, 

você, meu caro, tem de merecê-lo, 

tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 

mas tente, experimente, consciente. 

É dentro de você que o Ano Novo 

cochila e espera desde sempre.

 

                                                                  Carlos Drummond de Andrade

 

Pág. 4/4