Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Seg | 02.03.15

Sporting vs Porto

tello.pngOntem o Sporting foi ao Dragão e perdeu por 3-0. A vitória do Porto foi justa e merecida, há que reconhecer.

O SCP fez uma exibição paupérrima. Foi por demais evidente que três dias foram insuficientes para os leões recuperarem física e animicamente da eliminação da Liga Europa. Mas isso não explica tudo (o Wolsburgo também jogou ontem e ganhou por 5-3).

Na minha opinião o Sporting fez ontem o pior jogo da época. Em contrapartida, o F.C. Porto fez uma das suas melhores exibições e Cristian Tello fez, provavelmente, o melhor jogo da sua vida.

Com este resultado o SCP diz adeus à luta pelo título, bem como à possibilidade de um apuramento direto à Liga dos Campeões. Resta-lhe agora discutir o 3º lugar com o Braga.

Dom | 01.03.15

Passos com dívidas à Segurança Social durante cinco anos

IMG_5366.JPG       1664.jpg

                                                                                         (imagem tirada daqui)

Passos Coelho não pagou as contribuições à Segurança Social a que estava legalmente obrigado entre 1999 e 2004.

Ao contrário do que aconteceu a mais de cem mil trabalhadores pagos a recibos verdes que foram ameaçados de penhora, Passos afirmou nunca ter sido notificado e durante cinco anos fez-se de morto, a ver se passava.

Quando foi confrontado pelo jornal Público e apesar de a dívida já ter prescrito, Passos correu a liquidar as quotizações à Segurança Social, mas apenas parcialmente. É que durante os cinco anos em que fugiu às suas obrigações, enquanto trabalhador independente, contraiu uma dívida com o Estado superior a 7 mil euros e só pagou cerca de 4 mil.

Não se percebe por que a Segurança Social tem dois pesos e duas medidas? Ou seja, por que é não agiu com o cidadão contribuinte Passos Coelho como age com todos os outros procedendo à execução da dívida? Seria interessante que o ministro Pedro Mota Soares respondesse adequadamente a esta questão.

Ao primeiro ministro assenta que nem uma luva aquela ditado:«Bem prega frei Tomás... faz o que eu digo não faças o que eu faço».

Dom | 01.03.15

Bem-vindo, Março!

 

541511_347302242054541_667148037_n.png

«É Março. Março é o mês da Primavera. Março é o mês em que, no dia 21, primeiro dia, nos restituem a hora que nos roubaram quando começou a anoitecer muito cedo.

Março é um mês em que pode haver calor. Mais: Março é um daqueles meses que, de vinte em vinte anos, leva as pessoas a dizer que já não há Primavera: só o Outono e o Inverno, seguidos pelo calor do Verão.

É uma mentira aprazível. Claro que haverá Primavera. E muita chuva. E frio atrasado. E, mesmo em Maio, a sensação que continua a ser Novembro.

O tempo e o clima - caso se consiga achá-los diferentes - enganam-nos sempre. Os meses estão mal divididos mas as estações do ano, fazendo muito mais sentido (por muito pouco que seja), dão-nos as incertezas mais pequenas de que precisamos para sobreviver, pensando que somos, de alguma maneira infinitésima e irrelevante, capazes de prever (até toscamente) o futuro efémero que nos espera durante muito pouco tempo, antes de se transformar noutra coisa que só vagamente previmos e tememos.

Abril dá águas mil mas Março é o mês em que a Primavera, por muito que padeça e se transfigure, mais transparece.

Atingimos Março. Os próximos sete meses serão os melhores deste ano e do seguinte. A sorte é uma questão de tempo. O tempo é uma questão de sorte.

O resto é vida: vida viva mas apagada, durante o ano todo, mas à espera de ser acesa e vivida.

Atingimos Março e as nossas vidas - sejam quais forem - renascem, pleonasticamente, mais uma vez».

Miguel Esteves Cardoso - Público

 

Pág. 5/5