Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Seg | 29.04.13

Ainda Sobre o Consenso

narrativadiaria

 

  (imagem retirada da NET)

 Parece que, de repente, tudo começou a falar em “consenso”, ou sobre a falta dele (dissenso). A palavra entrou no léxico político e domina todo o discurso no espaço público. Senão vejamos: o ministro-adjunto, Poiares Maduro, falou doze vezes em “consenso” numa conferência de imprensa. Passos Coelho enviou uma carta a António José Seguro propondo-lhe “consenso” sobre matérias económicas. O Presidente da República no seu discurso de comemoração do 25 de Abril refere que «no plano político, é imperioso manter a capacidade de firmar consensos». O ministro das Finança sublinhou hoje que «é necessário consenso político esclarecido e generalizado». O governo procura chegar a um “consenso” com Vítor Gaspar com objetivo de cortar na despesa estrutural. A oposição relembra o consenso que foi construído sobre o Estado Social com o 25 de Abril e que este Governo quer agora destruir.

De acordo com o dicionário da língua portuguesa, consenso, do latim consensu, significa «assentimento geral; consentimento; anuência; concordância ou uniformidade de opiniões». Segundo o entendimento comum, o consenso é algo que se estabelece quando várias partes chegam a um acordo após uma negociação. Ou seja, pode significar a estrutura de valores que nos permite viver em sociedade, ou pode significar algo diferente, caso não saibamos as opiniões ou pensamentos sobre quem se pretende estabelecer esses valores. Atrever-me-ia mesmo a dizer que será cada vez mais difícil encontrar opiniões ou pensamentos consensuais, na justa medida em que a realidade social vai mudando a uma velocidade vertiginosa. Assim, o que hoje se afigura como uma verdade insofismável, amanhã poderá ser encarado noutra perspetiva. Se houvesse mais con(senso) por parte daqueles que o reclamam, talvez fosse menos difícil trilhar o caminho que temos pela frente.