Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qua | 08.05.13

Emissão de dívida a 10 anos

narrativadiaria

O ministro das Finanças reputou a emissão de dívida a 10 anos como um “grande sucesso”, sublinhando que a procura excedeu a oferta em mais do que três vezes, o significa que «tivemos mais de nove mil milhões de euros de procura pelos nossos títulos a 10 anos». Portugal emitiu 3 mil milhões de euros de dívida pública com prazo a 10 anos, pagando uma taxa total, incluindo todos os custos associados, de 5,669%, enquanto a taxa de juro que será paga anualmente será de 5,65%. No passado mês de março, a Irlanda colocou 5 mil milhões de euros no mercado, conseguindo que a procura atingisse os 12 mil milhões de euros e os juros exigidos rondassem os 4,15%. A Alemanha financiou-se, com prazos idênticos a um juro negativo de -0,4%. Como facilmente se depreende, os investidores ainda atribuem à dívida soberana portuguesa um risco muito elevado. Aliás, a Fitch, conhecida agência de notação financeira, já veio desvalorizar o empréstimo, considerando-o irrelevante para o nosso ratinginternacional e colocando a tónica exclusivamente na dependência dos cortes a efetuar na despesa pública. A questão aqui que se coloca é a seguinte: o que terá levado o governo a proceder a uma operação destas, uma vez que, supostamente, só irá precisará destas somas em 2014? O que o governo deixa transparecer é de que  necessitava de uma operação financeira internacional desta dimensão para incentivar a troika a libertar a última tranche a fim de dar por concluída a 7ª. Avaliação. Interessava, ainda, ao executivo realizar uma operação de grande impacto, que de certa forma justificasse e legitimasse o novo pacote de austeridade que pretende impor.