Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Dom | 02.06.13

Peditórios

narrativadiaria

(imagem retirada da NET)

Decorreu este fim-de-semana mais uma campanha do “Banco Alimentar Contra a Fome”. Na verdade os peditórios tornaram-se um procedimento comum no nosso País, permanecendo como uma inevitabilidade e como um vício. Vivemos literalmente no país da pedinchice. Para qualquer lado que se vá, são mãos estendidas! É ver os peditórios para tudo e mais um par de botas:crianças desamparadas, animais desvalidos, cegos, deficientes, arrumadores de carros. Enfim! Tudo serve de pretexto para pedir. Se é certo que milhares de voluntários prestam-se a dar o seu genuíno e generoso contributo a estas causas, participando ativamente em todos esses peditórios, sabemos bem que nem sempre os donativos chegam aqueles que mais deles necessitam. Considero, ainda, este tipo de caridade demasiado humilhante, sendo que estas supostas boas ações, mais não são que a valorização e reforço de um modelo de que qualquer sociedade se devia envergonhar e combater: a caridade como solução para os mais desprotegidos. Isto porque, efetivamente a caridade pode atenuar pontualmente alguns problemas, nas não resolve o problema de fundo. As necessidades básicas e a pobreza são problemas estruturais que deverão ser combatidos com políticas socias públicas. O estado social deve ser capaz de proteger os mais desfavorecidos. É também para isso que pagamos os nossos impostos!