Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Dom | 09.06.13

Seguro e Portas juntos na reunião Bilderberg

narrativadiaria
(imagem retirada da net)

Muito se tem falado na reunião dos “Senhores do Mundo”, mais conhecida como a reunião Bilderberg, que reúne anualmente várias figuras públicas com notoriedade, influentes na política, na economia e nos media. O Clube Bilderberg é uma organização não-oficial que nasceu, supostamente, para promover a "cooperação transatlântica" e debater assuntos com interesse a nível mundial. O nome Bilderberg vem do hotel holandês que acolheu a primeira reunião, em 1954. O sucesso desse evento convenceu os seus organizadores a realizá-lo posteriormente em algum país europeu, nos Estados Unidos ou no Canadá. Atualmente, os encontros deste Clube reúnem cerca de 120 personalidades europeias. Eles ocorrem em hotéis sofisticados e preferencialmente isolados, que são impenetráveis por ocasião do evento. Este ano Portugal é representado pelos media e pela política. Francisco Pinto Balsemão decidiu convidar António José Seguro e Paulo Portas, dois políticos que poderão, juntar-se num futuro próximo. A regra seguida por este clube tem sido convidar os políticos que virão a ser os futuros líderes dos governos dos respetivos países, sendo assim, isto poderá significar que caso António José Seguro empolgue os participantes e perante as dificuldades evidentes do atual Governo, poderá haver eleições antecipadas e estar eminente a nomeação de um novo governo em Portugal. Não tendo maioria absoluta, o PS poderá necessitar de uma eventual coligação com o CDS. Em 2004, Pinto Balsemão convidou para o encontro do Clube Bilderberg, na Itália, um social-democrata e um socialista. Um mês depois Santana Lopes foi nomeado primeiro-ministro e meses depois eleito José Sócrates. Será que o Administrador da SIC estará, deste modo, a forçar a queda do governo?