Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Ter | 26.03.13

MOÇÃO DE CENSURA

narrativadiaria

O mês de março tem sido fatídico para o governo. Não bastava os resultados da 7ª avaliação da troika, as previsões negativas sobre o crescimento económico e os números do desemprego, veio ainda juntar-se a esta conjuntura a ameça à estabilidade do euro, proveniente da crise financeira de Chipre, e o regresso de José Sócrates à cena política portuguesa. Acresce, que um eventual chumbo do Tribunal Constitucional a normas do Orçamento do Estado para 2013 pode tornar este quadro ainda mais sombrio.

Perante este cenário, Passos Coelho e o seu governo recuaram. Já colocam em causa o “desenho do programa de ajustamento" e abriram espaço a fraturas internas dentro do PSD e no partido de coligação que suporta a maioria governamental, o que acabou por agravar toda a fragilidade política que já os vinha afetando desde o famoso “caso Relvas”.

É neste cenário que António José Seguro irá jogar a sua cartada – moção de censura ao governo –, pressionado por várias fações dentro do seu partido. Seguro sabe de antemão que a moção será chumbada pelos partidos que suportam a maioria, resta-lhe apenas o capital simbólico que a mesma representa e não será coisa pouca. Porque de agora em diante, nada poderá ser como dantes. Seguro terá que assumir-se, pelo menos teoricamente, como alternativa, embora saibamos que, neste momento, não lhe agrada muito a queda do governo. Não tem  soluções alternativas ao programa de ajustamento da Troika, nem lhe interessa governar o país nas atuais condições.