Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 18.07.13

Rei dos Algarves e das Selvagens

narrativadiaria

«Naturalmente, refugiou-se na natureza. Entre ouvir os gritos da Heloísa dos Verdes e os das cagarras das Selvagens, Cavaco escolheu o mais ecológico. Censura por censura, mais vale apanhar com um garajau a defender o ninho. As Selvagens vão passar a ter sido visitadas oficialmente por três presidentes, Soares, Sampaio e Cavaco. Mas nunca um PR lá pernoitara. Mário Soares era conhecido por dormitar em quase todo o sítio, mas só Cavaco Silva vai poder dizer, a partir de amanhã, que já dormiu na Selvagem Grande. Depois de mandato e meio, Cavaco terá, enfim, um lugar na história por alguma coisa. Ainda por cima Grande, como ele escreverá um dia num prefácio! Mas a ida para o único lugar do território português onde não chegam os decibéis de Heloísa Apolónia pode ter ainda outra razão. O arquipélago tem a ilha Selvagem Grande e a ilha Selvagem Pequena, a ilhota Palheiro da Terra e a ilhota Palheiro do Mar, os ilhéus de Fora, o Alto, o Comprido, o Redondo... Tudo muito claro e básico. O ilhéu Pequeno, o Grande, o do Sul e o do Norte... É, talvez a ida às Selvagens tenha uma intenção terapêutica. Talvez queira reeducar a fala do Presidente com palavras simples. No entanto, conhecendo Cavaco Silva, em chegando às Selvagens, ele vai querer ir para o ilhéu Sinho só para alimentar a confusão nas interpretações... Porquê Sinho? Mas Sinho com quem? Coliga-se com Sinho ou só se desembarca? E, em junho de 2014, muda-se o nome a Sinho?...» Ferreira Fernandes, DN