Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Sex | 23.02.18

A eleição de Fernando Negrão

image_content_1331927_20180222180058.jpg

Fernando Negrão era candidato único a líder da bancada do PSD, substituindo, assim, Hugo Soares. Mas, na eleição conhecida ontem, Negrão, que tinha apoiante de Pedro Santana Lopes, recolheu  apenas 35 votos a favor, 32 brancos e 21 nulos e foi eleito com 39,3% dos votos. 

 

É uma eleição com uma votação anormalmente baixa para o que é habitual no PSD, dado que nem metade dos deputados social-democratas se mostram favoráveis a Negrão como líder de bancada. Recorde-se, a título de exemplo, que na última eleição Hugo Soares conseguiu 85,4% dos votos. Há quem considere que, para ser eleito legitimamente, Fernando Negrão deveria ter  pelo menos 50% dos votos mais um, ou seja, neste caso, 45 votos já que dos 89 deputados, votaram 88. Contas feitas, 53 deputados sociais-democratas não deram o seu aval ao nome escolhido por Rui Rio para liderar a bancada doo PSD no Parlamento, o que coloca o líder parlamentar numa posição desconfortável.

 

Importa saber que ilações retirará agora Rui Rio desta eleição, bem como se quererá contar com um líder parlamentar que não conseguiu unir a bancada do maior partido da Assembleia da República.

 

Primeiro Malheiro, depois Elina Marlene, agora Negrão. Será que o atual presidente do PSD não acerta uma?