Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Dom | 15.06.14

A guerra pelo trono socialista

narrativadiaria

 

 (imagem do público)

Seguro acusa António Costa de avançar só quando percebeu que a vitória de 2015 é certa. António José Seguro teve a sua oportunidade. Liderou o Partido e «fez o caminho das pedras» desde Julho de 2011, beneficiando do apoio dos seus pares dentro do Partido.

Quando António Costa ameaçou atacar o poder, Seguro preferiu um acordo a desafiar o seu maior rival na luta pela liderança. Titubeou na escolha do cabeça-de-lista para as Europeias, mas lá acabou por decidir-se por Francisco Assis. Ameaçou com uma vitória esmagadora sobre os partidos do Governo nas europeias, mas ficou-se por uma vitória tangencial. Os portugueses não deram uma vitória confortável a Seguro, por entenderem que o atual líder do PS não conseguiu ganhar, durante estes três anos, a dimensão política que se exige a um candidato a primeiro-ministro. E começou a perder terreno e credibilidade, quando classificou de grande vitória uma conquista mínima.

É obviamente legítimo que Seguro se considere o melhor líder socialista neste momento e o mais capaz de obter nas legislativas a vitória estrondosa que deixou escapar nas autárquicas e nas europeias. Mas se tivesse tão certo assim, certamente não precisaria de usar a burocracia e proferir expressões deselegantes para adiar o inevitável.

No Vimeiro, acabou por decidir avançar com ‘primárias’, solução que em Julho de 2011 o próprio considerava que ia «matar o debate político no PS». O problema não está em mudar de opinião, o problema está em querer afirmar-se pela coerência suprema de que não dispõe. E que a um político, como se sabe, é ainda mais difícil manter.

Depois de ter perdido muitas outras oportunidades, António José Seguro perdeu agora a hipótese de tentar, ao menos, um acordo com António Costa para uma saída tranquila, com alguma dignidade. Assim, pelo contrário, só muito dificilmente não sairá do Largo do Rato sem glória. Mesmo que ganhe as primárias de forma tangencial.