Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sex | 23.10.20

A novela do Orçamento de Estado

35672959_GI18092019LN001215_WEB-1060x594-159474500

Rui Rio anunciou esta semana que o PSD vai votar contra a proposta de Orçamento do Estado para 2021. Não lhe restava outra alternativa, depois de António Costa ter dito, perentoriamente, que o seu projeto é com o PC e com o BE e que, no momento em que precisasse do PSD para aprovar o Orçamento, o seu Governo terminava.

 

Como o partido que suporta o governo não tem maioria na Assembleia, o PS tem de conseguir os votos favoráveis dos partidos à sua esquerda para garantir que o documento passe para a especialidade. António Costa já os espicaçou, afirmando que o Orçamento só chumba se o PCP e o BE somarem os seus votos aos votos da direita. Ou seja, seria preciso que as duas maiores bancadas da esquerda alinhassem com a direita no voto contra para que o Orçamento fosse chumbado.

 

O Bloco deixou avisos claros ao governo, garantindo que não terá motivos para viabilizar o Orçamento nos moldes atuais, dramatizando a situação até ao limite. O PCP continua sem explicar concretamente o que pretende, sublinhando que os direitos dos trabalhadores é «um dos aspetos que é absolutamente essencial e um dos critérios que deve ser assumido como prioritário».

 

Neste momento assistimos estupefactos a esta novela do Orçamento do Estado que continua, para já, sem garantias de passar. Com o Bloco inclinado para votar contra e o PCP a falar em ganhos «muito parciais e limitados», o PS faz contas de cabeça para perceber como poderá fazer aprovar o Orçamento para o próximo ano,  mas recusou, em entrevista à TVI, um cenário de crise política em resultado de uma não aprovação do Orçamento do Estado para 2021. «Não viro as costas ao país neste momento de crise e tudo farei para poupar o país a qualquer tipo de crise». Entretanto as negociações continuam.

 

Todas as negociações com vista à aprovação do Orçamento são feitas a pensar obviamente nos proveitos eleitorais de cada partido. No pensamento de quem negoceia está sempre presente a questão de saber o que os partidos poderão receber em troca, no caso, o que ganhariam ou perderiam mais nas intenções de voto.

 

Mas acontece que Portugal está a viver um ano atípico. A par de uma crise sanitária junta-se uma crise económica, sem precedentes. Viver em duodécimos ou caminhar para uma crise política que conduzisse a eleições antecipadas, era tudo o que o país menos precisava neste momento, e seria encarado pelo eleitorado como uma enorme irresponsabilidade, sobretudo tendo em conta que os partidos de esquerda na última legislatura fizeram parte da chamada Geringonça e aprovaram todos os orçamentos. Os portugueses não compreenderiam esta atitude taticista do BE e do PCP e isso provavelmente repercutir-se-ia nas urnas.

 

Apesar de toda esta novela, julgo que o Orçamento vai ser viabilizado, resta saber como e com que alterações à proposta inicial do Governo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.