Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Seg | 03.06.19

Agustina Bessa-Luís (1922-2019)

narrativadiaria

agustina_doc.png

Morreu Agustina Bessa-Luis. Tinha 96 anos. A escritora nasceu em Vila Meã, Amarante, a 15 de outubro de 1922. O nome de Agustina Bessa-Luís tornou-se mais conhecido em 1954, com a publicação do romance A Sibila, que lhe valeu os prémios Delfim Guimarães e Eça de Queiroz e que constam de uma lista de galardões que inclui igualmente o Grande Prémio de Romance e Novela, da Associação Portuguesa de Escritores em 1983, pela obra Os Meninos de Ouro, prémio esse que voltou a receber em 2001, com O Princípio da Incerteza.

 

Em 1991 foi lançado o Vale Abraão, da sua autoria e levado à tela por Manoel de Oliveira, em 1993, tendo sido um dos seus maiores sucessos do realizador e revelado a atriz Leonor Silveira no papel principal. A Ronda da Noite, publicado em 2006, foi o último romance da escritora e dá continuidade a uma das suas paixões antigas – a escrita baseada em pinturas famosas –.

 

Agustina foi distinguida pela totalidade da sua obra com o Prémio Adelaide Ristori, do Centro Cultural Italiano de Roma, em 1975, e com o Prémio Eduardo Lourenço, em 2015. A escritora recebeu ainda os Prémios Camões e Vergílio Ferreira, ambos em 2004.

 

Foi condecorada como Grande Oficial da Ordem de Sant’Iago da Espada, de Portugal, em 1981, elevada a Grã-Cruz em 2006, e o grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras, de França, em 1989, tendo recebido a Medalha de Honra da Cidade do Porto, em 1988.

 

Venceu mais de 20 prémios e foi agraciada com diversas condecorações, entre as quais a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada de Portugal, que recebeu em 2016.

 

Embora sempre ligada à produção literária, exerceu o cargo de Diretora do jornal O Primeiro de Janeiro e foi Diretora do Teatro Nacional D. Maria II. Pertenceu à Academia de Ciências de Lisboa, Classe das Letras, tornou-se membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social, da Academie Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres de Paris e da Academia Brasileira de Letras.