Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Dom | 05.02.17

Alfarrabista de Faro doou todo o seu espólio

narrativadiaria

naom_557b0b4be0221.jpg

 

A Livraria Simões encerrou em 2015 quando o seu dono, Carlos Simões, então com 72 anos, foi obrigado a fechar portas devido a uma ordem de despejo por incapacidade de suportar uma renda 700 euros.

 

O alfarrabista viu-se obrigado a abandonar a loja da Rua do Alportel, em Faro, em julho de 2015 sem contudo ter conseguido levar consigo os milhares de livros que reuniu ao longo de 36 anos de atividade.

 

Quando encerrou a livraria, Carlos Simões já anunciava que pretendia oferecer os seus livros, caso nenhuma biblioteca tivesse interesse em recebê-los.Por isso, a loja da Rua do Alportel abriu ontem, 4 de Fevereiro, entre as 10h00 e as 12h30, para quem quisesse fosse lá escolher e levar todo o espólio de forma totalmente gratuita.

 

A Associação de Valorização do Património Cultural e Ambiental de Olhão (APOS), responsável pelo processo de escoamento dos livros da loja não estava à espera de tamanha procura. Vieram pessoas de todo o país. E formaram-se longas filas para levarem os 500 mil livros que foram acumulados pelo último alfarrabista de Faro. Em apenas duas horas foi esvaziada a loja.

 

Faro foi a cidade onde, em 1487, se imprimiu o primeiro livro português, e ficou, desde 2015, sem o seu último alfarrabista.