Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Ter | 06.05.14

Cavaco Silva comenta saída limpa no facebook

narrativadiaria

 (imagem do google)

Aníbal Cavaco Silva, ufano, certamente na qualidade de cidadão (recuso-me a acreditar que um Presidente da República expressasse publicamente tal opinião), recorreu à sua página do Facebook, para comentar a decisão do Governo sobre a «saída limpa» do programa de ajustamento, utilizando um tom sarcástico e recordando todos aqueles que há algum tempo diziam que Portugal não conseguiria evitar um segundo resgate.

Segundo Cavaco, o que lhe vem à memória «são as afirmações perentórias de agentes políticos, comentadores e analistas, nacionais e estrangeiros ainda há menos de seis meses, de que Portugal não conseguiria evitar um segundo resgate».

Cavaco sempre se mostrou avesso a um segundo resgate, cenário que considerava completamente excluído desde o princípio do ano e que, segundo o próprio seria muito negativo para Portugal e para a União Europeia. 

Agora, no Facebook, Cavaco interroga: «O que dizem agora?». Ao mesmo tempo, recomenda a leitura «integral e não truncada» do prefácio que escreveu em Março ao último volume dos seus Roteiros  VIII e no qual defendia, em princípio, a opção de um programa cautelar.

Em Janeiro deste ano, Cavaco Silva já havia manifestado a sua preferência por um programa cautelar, apontando-o como uma «rede de segurança». Na altura,  Cavaco qualificou então como uma «ilusão» que as saídas "à irlandesa" não tenham custos. «Existem custos para esse tipo de saídas à irlandesa e os programas cautelares, segundo muitos, conseguem reduzir substancialmente os custos associados aos riscos que eventualmente podem surgir nas dificuldades de colocação de títulos nos mercados internacionais», defendeu então Cavaco.

Sou faltou dizer que o facto de Portugal sair “à irlandesa”  a 17 de maio, perto das comemorações religiosas do 13 de maio,  foi mais uma vez  «inspiração da Nossa Senhora de Fátima».