Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Seg | 01.10.18

Charles Aznavour (1924-2018)

 

mw-860.jpg

Cantor, ator e compositor francês de origem arménia, apontado pela imprensa como uma lenda viva da chanson française, Charles Aznavour nasceu em Paris em 22 de maio de 1924 com o nome de Shahnour Vaghinagh Aznavourian, e morreu esta segunda-feira, aos 94 anos, na sua residência no Sul de França.

 

Em 1997, a França reconheceu o papel do músico na história da canção francesa, distinguindo-o com o grau de Oficial da Legião de Honra.

  

Charles Aznavour foi embaixador permanente da organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e o Estado da Arménia concedeu-lhe, em 2008, a nacionalidade daquele país.

 

Com uma carreira de mais de 70 anos, Charles Aznavour escreveu mais de mil canções em francês, inglês, italiano, espanhol e alemão, vendeu mais de 180 milhões de discos, tendo partilhado o palco com cantores como Edith Piaf, Charles Trenet, Dalida e Yves Montand, entre muitos outros.

 

Compôs, ainda, o tema Aïe mourrir pour toi, interpretado pela fadista portuguesa Amália Rodrigues. Aznavour atuou pela última vez em Portugal há dois anos, na Altice Arena, em Lisboa.

 

Coincidência ou talvez não, Aznavour deixou-nos no dia em que se comemora o Dia da Música.