Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sab | 23.03.19

Ciclone Idai causa destruição em Moçambique

narrativadiaria

 

 

55495968_2087051884683537_2844280540599681024_n.jp
25846123_770x433_acf_cropped.jpg

A passagem do ciclone Idai por Moçambique, com fortes chuvas e ventos com mais de 170 quilómetros por hora, devastou a província de Sofala, no centro de Moçambique, deixando a cidade da Beira transformada num imenso lago e provocando centenas de mortos e milhares de desalojados.


Estão contabilizados já 700 mortos na sequência deste ciclone de categoria 4, classificado como uma das piores catástrofes no Sul de África em décadas. Há inúmeras casas destruídas e um milhão de crianças afetadas. 

 

Trinta portugueses estão por localizar na cidade da Beira, afirmou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que está em Maputo, a fim de fazer um levantamento das necessidades dos cidadãos portugueses afetados que, segundo registo do Consulado de Portugal na capital da província de Sofala, aproxima-se dos 2.500 portugueses.


O número de pessoas atingidas pelo ciclone Idai poderá ultrapassar os três milhões e os recursos necessários para a assistência humanitária são ainda muito insuficientes.


As ligações terrestres com a zona da Beira continuam cortadas. As vias aéreas e marítimas são a única forma de fazer chegar ajuda às vítimas. Em Maputo gerou-se uma onda de solidariedade que já permitiu juntar até agora mais de 240 toneladas de bens.


Mas neste momento toda a ajuda é bem-vinda e há várias formas de contribuir, seja enviando produtos alimentares não perecíveis ou através de transferência bancária.


A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) disponibilizou cinco mil euros do seu Fundo de Emergência para catástrofes e criou um Plano de Ação de Emergência para Moçambique. A instituição aponta os medicamentos, água, saneamento, higiene e abrigo como sendo as  necessidades mais prementes.


Para quem quiser ajudar ou contribuir, a CVP disponibiliza-se a enviar produtos para Moçambique, basta para isso fazê-los chegar à sede nacional da instituição: Jardim 9 de Abril, 1249-083, Lisboa e  abriu também uma conta para transferências bancárias, cujo IBAN é PT50 0010 0000 3631 9110 0017 4. Outra forma de ajudar é por pagamento de serviços para a entidade 20999, com a referência 999 999 999.


A Cáritas Portuguesa já se comprometeu a ajudar com 25 mil euros e conta com o Fundo de Emergência Internacional que recebe donativos através da conta, com o IBAN: PT50 0033 0000 01090040150 12.

 

A Assistência Médica Internacional (AMI) está igualmente no terreno a ajudar a região da Beira, que ficou destruída em cerca de 90%. O IBAN da conta da AMI que está a receber donativos destinados às vitimas do ciclone Idai é: PT50 0007 0015 0040 0000 00672.


A solidariedade chega também através do futebol. O Sporting Clube de Portugal promete fazer uma recolha de bens alimentares, através da Fundação Sporting, antes do dérbi de Lisboa para a Taça de Portugal, no próximo dia 3 de abril, em Alvalade. 


O Sport Lisboa e Benfica, através da Fundação Benfica, também já demonstrou a sua solidariedade para com as vítimas do Idai. O clube apela à mobilização e solidariedade de todos e pede que contribuam para recolha e envio de alimentos enlatados para Moçambique. As contribuições podem ser entregues em qualquer Casa do Benfica do país, de 21 a 31 de março, ou diretamente no Estádio da Luz, de dia 27 a 31 do corrente mês.


Também a receita da venda de bilhetes para o jogo entre Vitória de Guimarães e Desportivo de Chaves, da 28.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol vai reverter a favor das vítimas do ciclone Idai. O clube vimaranense anunciou hoje, no sítio oficial na Internet, que «não poderia passar ao lado da tragédia que atingiu Moçambique» e decidiu enviar para aquele país africano o dinheiro da bilheteira da partida, marcada para o fim de semana de 06 e 07 de abril, no Estádio D. Afonso Henriques.

 

As ajudas multiplicam-se. A Câmara Municipal de Lisboa anunciou que vai contribuir com «150 mil euros, havendo igualmente disponibilidade imediata de envio de equipas multidisciplinares de técnicos para apoio a necessidades básicas no terreno». A autarquia definiu ainda os quartéis do Regimento de Sapadores Bombeiros da cidade para pontos de recolha de donativos em géneros.


Os quartéis RSB D. Carlos I, Martim Moniz, Graça, Defensores de Chaves, Santo Amaro, Monsanto, Alvalade, Benfica, Marvila, Encarnação e Alta Lisboa vão estar abertos 24 horas por dia para receber as contribuições.


Também a autarquia do Porto divulgou que vai disponibilizar o «apoio de equipas pós-catástrofe» e 100 mil euros para ajudar na reconstrução do hospital da Beira.


À semelhança dos anteriores municípios, também o município de Sintra vai prestar apoio financeiro de 120 mil euros e logístico à câmara moçambicana da Beira. O presidente da autarquia acrescentou que, além do apoio financeiro para a recuperação de infraestruturas ou equipamentos, está a ser preparado «com a Cruz Vermelha o apoio logístico, que pode ser da Proteção Civil, da Polícia Municipal ou de outros vários tipos de apoio, de alimentos ou de vestuário».


Os CTT também já aderiram à causa e estão a aceitar doações de roupa. A ação de recolha tem início no dia 25 de março. Os interessados devem dirigir-se a qualquer uma das lojas CTT espalhadas pelo país, pedir uma «Embalagem Solidária» onde deverá ser colocado o donativo e o envio será feito de forma gratuita. A recolha de donativos nas Lojas CTT decorre até 8 de abril.


A organização não-governamental Oikos já está zona da Beira, uma  das regiões mais afetadas, a «preparar as condições logísticas para apoio às populações afetadas«, trabalhando em coordenação com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, com as Nações Unidas e parceiros humanitários.


A Oikos promete em breve começar «a distribuir kits de bens de primeira necessidade, materiais para a construção/reparação de abrigos e materiais para água e saneamento para as populações do distrito da Beira e do Dondo, de acordo com as necessidades e prioridades identificadas» e disponibiliza também uma conta para receber donativos: PT50 0036 0265 9910 0013225 29.


A UNICEF também está a aceitar donativos, que podem chegar de várias formas. Através do site oficial da organização, por MBWay para o número 919 919 939, por transferência ou depósito bancário através do IBAN PT50 0033 0000 5013 1901 2290 5 ou pela opção de pagamento de serviços, disponível no Multibanco, com a entidade 20 467 e referência 777 777 777. Também é possível fazer donativos por correio, através do envio de um cheque para a morada Rua António Augusto Aguiar, 21 -3E, 1069-115 - Lisboa, endereçado ao Comité Português para a UNICEF.


Para o efeito, a Health4MOZ criou o movimento #unidospelabeira, com o apoio da Ordem dos Médicos e outras entidades públicas e privadas., com o objetivo de enviar uma equipa de médicos e enfermeiros voluntários para dar assistência aos mais necessitados. A Health4MOZ vai, por isso, angariar e fornecer medicamentos e consumíveis médicos, tal como, angariar fundos para recuperar unidades de saúde que se encontram inoperacionais e danificadas.


A Arquidiocese de Braga anunciou o envio de 25 mil euros para a Arquidiocese da Beira, em Moçambique, para contribuir para os esforços de salvamento da população e reconstrução das infraestruturas afetadas pela passagem do ciclone Idai. Em comunicado, a Arquidiocese de Braga acrescenta que vai também estabelecer uma «ponte de distribuição imediata com a Arquidiocese da Beira, por forma a colmatar as necessidades da forma mais célere possível». Neste caso, os donativos podem ser entregues nos Serviços Centrais da Arquidiocese de Braga.

 

Recentemente, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa começou a montar um fundo especial para ajudar as vítimas do ciclone Idai. Uma decisão tomada por unanimidade numa reunião extraordinária do Comité de Concertação Permanente. Ainda não há um montante definido, cada país ainda vai ter que decidir com quanto dinheiro quer contribuir. O presidente em exercício da organização e embaixador de Cabo Verde em Lisboa, Eurico Monteiro, garante que os fundos vão ser libertados «nos próximos dias» de acordo com a disponibilidade dos Estados-membros.


Portugal vai enviar para Moçambique uma equipa do grupo Águas de Portugal e uma estação compacta de tratamento de água para ajudar a restabelecer o fornecimento de água potável à população atingida pelo ciclone Idai, informação avançada pelo ministro do ambiente, João Pedro Matos Fernandes. Em declarações aos jornalistas, à margem do encontro, o ministro acrescentou que no domínio da energia, está também previsto o envio de geradores para repor a energia. Matos Fernandes, adiantou que os técnicos deverão chegar ao local no domingo e no final da semana deverá estar na Cidade da Beira a estação de tratamento de água.