Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Seg | 18.04.16

Dilma e o impeachement

narrativadiaria

2016-04-18-RTX2ADCN.jpg

A Câmara dos Deputados do Brasil votou favoravelmente o impeachment da presidente Dilma Rousseff por 367 votos a favor, mais 25 do que os 342, equivalente a dois terços dos 513 parlamentares, que eram necessários, nesta madrugada, em Brasília, ficando decidido enviar a decisão da queda de Dilma para o Senado Federal. Agora o passo mais importante para a destituição de Dilma está dado. Bastará à oposição conseguir uma maioria simples dos votos dos 81 senadores para que Dilma caia e Michel Temer, o atual vice-presidente, assuma a direção do Palácio do Planalto.

Desde que iniciou o seu segundo mandato, em janeiro de 2015, Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores (PT) sofreram sucessivas derrotas no Congresso.

A pressão para a impugnação do mandato de Dilma Rousseff surge na sequência da divulgação das chamadas «pedaladas fiscais», atos ilegais resultantes da autorização de adiantamentos de verbas de bancos para os cofres do Governo para melhorar o resultado das contas públicas.

A investigação de membros históricos do PT, como o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por envolvimento na operação «Lava Jato», que investiga alegados esquemas de corrupção na petrolífera estatal Petrobras, também afetou seriamente a credibilidade da «Presidenta» brasileira, pela proximidade que tem com Lula da Silva.

Esta sessão histórica da Câmara dos Deputados foi o culminar de uma grave crise política e económica que está a dividir o Brasil. Numa longa sessão que demorou quase 10 horas, assistiu-se a espetáculo pouco edificante. O grande problema do Brasil tem sido a confluência de três fatores: o seu sistema constitucional, com um mau sistema de partidos e com quadros políticos ao nível do que de pior há no mundo. Ao pé disto, a classe política portuguesa quase que se equipara à nórdica.

2 comentários

Comentar post