Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sab | 12.12.15

Frank Sinatra

narrativadiaria

 

Há exactamente 100 anos, nascia Frank Sinatra, uma voz inesquecível da música norte americana. Com uma voz marcante e um jeito muito próprio, Frank Sinatra construiu uma grande carreira, conquistou milhares de admiradores de todas as idades e nacionalidades e as suas canções não se perderam no tempo porque continuam ouvir-se mesmo após a sua morte.

Nascido em 12 de Dezembro de 1915, na cidade de Hoboken, em Nova Jersey, Francis Albert "Frank" Sinatra teve uma infância humilde e bastante influenciada pela sua origem italiana. Os pais eram imigrantes vindos de Itália em 1903.

Mudou-se para Nova Iorque em 1930 e passou a ser conhecido depois de ter feito parte do quarteto Hoboken Four e de ter participado em concertos com as orquestras de Tommy Dorsey e Harry James.

Mas foi com a carreira a solo que a Voz, como era conhecido, começou a ser ouvida. Assinou em 1943 um contrato com a famosa gravadora Columbia Records e  tornou-se um ídolo para as "bobby boxers", como eram chamadas as fãs de swing, e lançou seu primeiro álbum, «The Voice of Frank Sinatra».

A partir desse momento, os sucessos não pararam e várias das saus músicas tornaram-se hinos do jazz, como «I've Got You Under My Skin», «Fly me To The Moon», «Strangers in The Night» e «My Way».

A sua passagem pelo cinema foi menos marcante que na música, mas  participou em alguns filmes e recebeu até um óscar de melhor actor secundário pela sua interpretação no filme «Até à Eternidade».

Em 1971 tentou retirar-se mas voltou ao estrelato com a célebre «New York, New York»,  um reconhecimento à cidade que o acolheu e lhe deu a fama.

A 14 de Maio de 1998, com 82 anos,na cidade de Los Angeles, a Voz calou-se devido a um ataque cardíaco, embora continue bem vivo e bem presente na memória de muitos que não o esquecem.