Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 10.12.20

Homenagem da FNAC a Sara Carreira

131073715_1572400036290903_4967783371425167251_n.j

 

Após a morte de Sara Carreira, a FNAC colocou à venda um CD da malograda artista, em lugar de destaque, a preços mais baixos, como forma de a homenagear e de publicitar o seu trabalho.

De imediato, nas redes socias choveram criticas: “Falta de respeito...mundo este....”; “Abutres”; Vale tudo em nome do lucro”; “Estão a aproveitar-se do momento triste. Que nojo” e outras pérolas do género, o que levou a FNAC a emitir um comunicado:

«Agradecemos a todos as mensagens e alertas recebidos durante o dia de hoje relativos à publicação de um cartaz em loja relativo a uma homenagem à Sara Carreira. Quando colocámos esta comunicação nas nossas lojas não era nossa intenção estar associada à venda do seu álbum, mas sim uma simples forma de prestar homenagem a Sara Carreira. Foi feito sem maldade e sem antecipar a conotação negativa que poderia ter por estar junto da sua obra. Por esse motivo, a comunicação em causa foi imediatamente retirada. A nossa principal prioridade é mostrar a nossa solidariedade com a família e os amigos de Sara Carreira neste momento tão doloroso, pelo que vimos pedir desculpas pela forma como foi prestada esta homenagem.».

Ora, quem frequente as lojas da FNAC sabe que, quando uma artista parte, colocam a obra desse artista em destaque. Aliás, é o que acontece em todo o mundo quando alguém conhecido morre e deixa obra, ela é destacada e promovida. Para mim, não existe forma mais digna de homenagear um artista.

Todo o artista, seja em vida ou após a sua morte, quererá que a sua obra seja ouvida e não esquecida. Ter um lugar de destaque numa loja especializada, acho algo perfeitamente normal. Se estão interessados em ganhar dinheiro? Certamente que sim, não trabalham pro bono!

A não ser que seja um pedido expresso da família, a obra da Sara Carreira deve continuar a ser mostrada e difundida. Foi para isso que ela trabalhou: para colocar o seu trabalho à venda e para os seus fãs o adquirirem.

O que me choca mais é ver que, quem critica, são os mesmos que estiveram horas e horas a ver a CMTV que explorou a notícia, sem pudor, até à exaustão e com isso conseguiu audiências nunca antes vistas, ou que vão a correr comprar revistas para puderem ler os detalhes da morte, do funeral, as relações sociais, familiares e amorosas que teve, mas criticam a FNAC por vender um CD que é literalmente o legado que ela deixa e o único que ficará para a posteridade.

Pobre país este!