Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 28.08.14

Leituras de Verão (II)

narrativadiaria
Esta é uma homenagem que o autor, Will Schwalbe, faz à sua mãe, vítima de doença oncológica. Durante dois anos, aproximadamente, Mary Ann lutou contra a doença, vivendo o mais intensamente que lhe foi possível, com projetos humanitários no topo da lista da sua de prioridades. O seu amor pela família, pelos amigos, por todos os que precisam de carinho monopolizava a sua atenção.

Estando consciente de que a doença era incurável, Mary Ann submeteu-se a vários tratamentos na esperança que os seus dias fossem prolongados sempre com o intuito de finalizar os projetos que tinha em mãos e de preparar os seus familiares para o fatídico desfecho.

Afigurando-se longos períodos de espera e de tratamentos, mãe e filho formaram um «clube de leitura». Enquanto esperam pelas consultas e pelas sessões de quimioterapia partilhavam a paixão pelos livros, sugeriam leituras e falam sobre elas. Através dos seus testemunhos, percebemos como os livros e a leitura podem unir as pessoas ou aproximá-las ainda mais. Como poderão ser reconfortantes e inspiradores.