Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sex | 20.06.14

Mega Piquenique na Av. da Liverdade

narrativadiaria

 

 (imagem do google)

O Mega Piquenique do Continente regressa de novo à Avenida da Liberdade, em Lisboa, no dia 21 de Junho, pelas 10h00 da manhã, contando ao fim do dia com um concerto de Tony Carreira. A Câmara de Lisboa receberá «200 mil euros em benefícios e cinco mil quilos em alimentos a ser distribuídos por instituições» como contrapartida pela realização do Mega Piquenique do Continente.

Ninguém contesta a legitimidade de realização deste evento e das causas meritórias que lhe estão associadas. O que se contesta verdadeiramente é o local escolhido: em plena Avenida da Liberdade, com os condicionalismos inerentes.

Ora, um evento, por mais importante que seja, não deve em circunstância alguma prejudicar a vida das pessoas que moram, circulam ou têm os seus negócios na zona.

A Câmara Municipal de Lisboa justificou a escolha do local pela impossibilidade de ter lugar no Terreiro do Paço, devido às obras (embora também não me parecesse também um local muito adequado) e no Parque Eduardo VII haver transmissões de jogos de futebol durante o Mundial. Mas não haverá nenhum outro local disponível no concelho de Lisboa? O Parque da Bela Vista onde se realizou o Rock in Rio, ou o espaço da antiga feira popular, para dar apenas dois exemplos que me parecem mais ajustados à natureza do evento?

Finalmente não se percebe o critério do Município de Lisboa em instalar na 10ª avenida mais  luxuosa do mundo uma parafernália campestre, quando esta artéria foi não há muito tempo intervencionada para concentrar lojas de renome internacional. Obviamente que os lojistas da Avenida da Liberdade em Lisboa já se manifestaram contra, porque não foram ouvidos, porque a realização do evento lhes vai prejudicar o negócio e não deixam de ter razão.