Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Qui | 10.05.18

O problema da natalidade

bebe.jpg

A natalidade é um problema com contornos graves em Portugal, já que é o país tem vindo a registar grandes quebras, situando-se, neste momento, na cauda da Europa.

 

No primeiro trimestre nasceram 20 364 crianças no país, menos 371 do que nos primeiros três meses do ano passado, depois de uma ligeira recuperação alcançada em 2014.

 

A manter-se a atual trajetória, a crise de natalidade parece estar para ficar. Como inverter este ciclo?

 

Vale a pena ler este artigo de uma blogger, Kay Xander Mellish, autora do blogue “How to Live in Denmark” que está em Portugal para falar sobre as políticas de natalidade na Dinamarca e que explica o sucesso da natalidade naquele país.

 

No reino da Dinamarca, o homem assume um papel fundamental: passeia os filhos, vai busca-los a escola, ajuda nas tarefas domésticas e ganha dinheiro com a doação de esperma. As mães têm grupos de ajuda.

 

O Estado apoia a natalidade, as crianças ficam em casa um ano, depois vão para as creches e frequentam escolas públicas. Vão de transporte sozinhos desde cedo para a escola e os TPC só começam aos 13.

 

A sociedade dá estatuto a quem  passa tempo com a família e não a quem tem grandes carros, porque «os filhos são o melhor investimento», defende.

 

Vale mesmo a pena ler.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.