Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Sab | 17.12.16

O PSD e as eleições autáquicas

narrativadiaria

ng7574555.jpg

Depois da recusa de Pedro Santana Lopes, o PSD continua à procura de candidato à Câmara de Lisboa para as próximas eleições autárquicas.

 

Nesta altura, é esta a maior dor de cabeça que Passos Coelho tem para resolver. Há nomes como José Eduardo Martins e Laurinda Alves a serem testados em sondagens internas, mas que não convencem os dirigentes e por isso não há ainda qualquer decisão sobre o candidato.

 

Entretanto começam a surgir vozes que defendem que Passos Coelho é a escolha certa para Lisboa. Uma dessas vozes foi do vice-presidente do PSD-Lisboa, Rodrigo Gonçalves, que reforçou a ideia que é preciso apresentar «o melhor dos melhores» à Câmara de Lisboa, defendendo por isso a aposta no ex-primeiro-ministro.

 

Há no entanto opiniões contrárias dentro do partido e que são públicas, com militantes que apontam para uma coligação com o CDS e ainda outros mais virados para que a escolha deva recair num independente de prestígio, apoiado pelo PSD.

 

Responsáveis do PSD contactados dizem que a resposta ao repto lançado por Rodrigo Gonçalves ao líder deve ser encontrada nas palavras de Carlos Carreiras: Pedro Passo Coelho «é candidato a primeiro-ministro e não é candidato a presidente da Câmara de Lisboa».

 

Entretanto vários jornais de referência dão como certo o apoio do PSD a Assunção Cristas. É inaceitável que o maior partido do parlamento não tenha um candidato credível para apresentar, tendo que ir a reboque do CDS. O facto de apoiar Cristas já constitui em si mesmo uma derrota. 

 

Uma coisa é certa: está criada a crispação entre distrital e concelhia. A distrital inclina-se para o apoio a Assunção Cristas, a concelhia nem quer ouvir falar nisso. Pelo meio, resta uma indefinição cada vez mais criticada dentro do partido e que só deverá ser desfeita quando Passos anunciar o candidato a Lisboa que terá o apoio do PSD.

 

Esta indefinição que paira em torno dos candidatos para as principais autarquias é o pano de fundo que está a servir a Rui Rio para tentar ganhar protagonismo, mas na sombra há outros  candidatos que vão marcando terreno, como Paulo Rangel, José Pedro Aguiar-Branco e Luís Montenegro.

 

O facto de o Congresso de 2018 ainda estar longe, de Passos Coelho ter ganhado as eleições legislativas e de não dar sinais de querer abandonar a liderança faz com que haja particular cautela na forma como dirigentes e militantes abordem a questão da liderança.

 

Há ainda muitos que acham que Passos Coelho só poderá cair caso perca as próximas legislativas. Mas o certo é que a desorientação nas autárquicas está a deixar o PSD nervoso, e uma derrota no próximo ato eleitoral poderá aumentar a pressão que já se faz sentir em torno da liderança.