Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qua | 01.04.20

Pico da Pandemia será em maio?

 

mw-1024.png

«Na conferência de imprensa de sábado, Graça Freitas explicou com algum detalhe que o pico desta epidemia estará atrasado para o final de maio, não sendo um pico mas antes um “planalto com números parecidos durante vários dias”. Esta frase foi facilmente compreendida pelos espectadores, mas houve uma impossível de decifrar: “continuamos a estimar um número muito elevado de casos”. Quando os jornalistas perguntaram, mais do que uma vez, qual era afinal essa estimativa e quantos casos novos contariam poder ter na pior semana, a diretora-geral de Saúde optou por dizer o seguinte: “a DGS faz projeções a uma semana para efeitos de planeamento” de capacidade hospitalar, acrescentando que “os matemáticos vão ajustando todos os dias o modelo da curva epidemiológica”. Ora isto diz-nos três coisas. A DGS trabalha com modelos de previsão a uma semana, para poder ajustar a sua resposta; a DGS projeta a curva epidemiológica para as restantes semanas, ajustando o modelo todos os dias; a DGS entende que as projeções não devem ser divulgadas “até porque causam expectativas”.


Esta opção, sendo legítima, é profundamente errada. Basta abrir jornais, sites, redes sociais ou ver grupos de whatsapp para perceber que há muita gente a fazer contas e projeções. Matemáticos, economistas, especialistas em estatística, e muitos outros, dedicam-se a isso, comparando Portugal com outros países e calculando como vamos estar no dia x ou na semana y. Todas essas contas são feitas com base nos dados divulgados diariamente, mas sem terem em conta o modelo que a DGS está a usar e a melhorar todos os dias. Ou seja, são realistas porque partem de dados apurados, mas podem estar totalmente errados porque uma curva epidemiológica depende de vários fatores e de muita informação recolhida dia a dia.

 

Em 2020, este tipo de dados devem ser públicos. A colaboração entre entidades pode ser altamente benéfica e a transparência é sempre mais importante que as “expectativas” que, pelos vistos, querem evitar. Num cenário como o que vivemos, as expectativas são inescapáveis. Toda a gente tem expectativas. Aliás, neste momento temos poucas coisas, além de expectativas. Mas é muito melhor termos expectativas reais, do que as que decorrem de exercícios matemáticos voluntaristas, a que se dedicam tantos nestes dias.

 

Na conferência de imprensa de domingo, Graça Freitas voltou a repetir que “estima um número muito elevado de doentes com Covid 19”. Mas que número é esse? Antes da pandemia ser declarada, a DGS trabalhava com um modelo ajustado ao da Gripe A, que partia de uma base em que até 10% dos portugueses podiam ser infetados. Depois, o modelo foi ajustado em baixa com base na experiência chinesa e de outros países asiáticos. Mas, entretanto, surgiram os perigosos casos de Itália e de Espanha, com evoluções bem diferentes da chinesa. Depois, houve medidas de confinamento social sem precedentes. Com tanta mudança, o modelo terá que ser completamente diferente do inicial. Mas qual é?

 

Sabemos que a DGS chegou a estimar que na pior semana da epidemia poderíamos registar 21 mil casos novos. Com o Estado de Emergência declarado e os portugueses fechados em casa, qual é agora a previsão máxima? Sem muitas opções disponíveis, fui espreitar a atualização do estudo que o Imperial College fez na passada quinta-feira. Se tudo funcionar, estes cientistas – que aparentemente dispõem dos melhores cálculos epidemiológicos do mundo – defendem que poderemos vir a ter em todo o ciclo do Covid 698 mil infetados em Portugal, calculando que podem existir 3816 mortes (0,2 por cem mil habitantes). Mas num cenário pior, com 1,6 mortes por cem mil habitantes, já estaríamos a falar de 11 mil mortes e 1 milhão e 800 mil portugueses infetados.

 

Estes números estão disponíveis num excel do Imperial College. Como estão feitos para todo o mundo, é duvidoso que sejam mais atuais que os das respetivas autoridades locais. É por isso que é importante que a DGS vá divulgando e atualizando o seu modelo matemático e epidemiológico. Estamos todos juntos nisto e não adianta esconder o que nos espera nem travar expectativas que já existem. A luta das próximas semanas tem um objetivo muito sério, que passa por reduzir a velocidade de transmissão do vírus, para evitar o colapso dos serviços de saúde e um número inaceitável de mortes. Mas o processo é muito longo e precisamos de saber a verdadeira dimensão do que nos espera, como essa dimensão está a ser condicionada pelos nossos comportamentos e pelas decisões das autoridades.».

Ricardo Costa - Expresso