Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 13.03.14

Primeiro Ano do Pontificado do Papa Francisco,

narrativadiaria

Completa-se hoje o primeiro ano do pontificado do Papa Francisco, um Papa que continua a surpreender pelo seu discurso e pela sua postura relativamente a questões essenciais da Igreja e da própria soci­edade.

Ao adotar o nome de «Francisco» quis passar a mensagem de que pretendia que o seu pontificado seguisse o exemplo do Santo de Assis, um exemplo de pobreza radical e total disponibilidade para a causa do Evangelho.

No dia da eleição, apresentou-se à multidão que aguardava o fumo branco na Praça de S. Pedro como o Bispo de Roma e um Papa que foram buscar «ao fim do mundo». Saudou a multidão com um simples boa noite e depois pediu que rezassem por ele antes de dar a sua primeira bênção papal. No dia seguinte passou pelo hotel onde esteve hospedado, antes do conclave que o elegeu, para pagar a sua conta.

Nesse mesmo dia dirigiu-se aos cardeais para lhes lembrar que a Igreja tem de ser mais do que uma ONG piedosa; e aos jornalistas dois dias depois diz claramente o que quer da Igreja – «uma Igreja pobre com os pobres».

Impressionou com a decisão de continuar a viver na casa de Santa Ana e recusar o Palácio Papal do Vaticano para sua residência.

Na primeira missa crismal lembra aos padres que têm de ser «padres próximos do povo» e nessa mesma tarde sai do Vaticano para celebrar a Missa comemorativa da Instituição da Eucaristia e no «lava-pés» inclui uma mulher muçulmana.

Visitou Lampedusa e abanou o mundo com as palavras três vezes pronunciadas de «vergonha, vergonha, vergonha», referindo-se ao escândalo das mortes entre os imigrantes que tentam entrar na Europa, vindos de África.

No Brasil, na Jornada Mundial da Juventude, perante três milhões e meio de jovens, deixa iam impressionante mensagem de esperança e de apelo à renovação.

Em Novembro publica a exortação apostólica Evangelii Gaudium, um texto corajoso, onde aborda aspetos relacionados com a renovação da Igreja, com base nos im­pera­tivos do Evangelho.

É eleito pela revista Time a personalidade do ano, em reconhecimento pela dinâmica de renova­ção que, em apenas nove meses de pontificado, soube introduzir nas estruturas milenares da Igreja com repercussão na sociedade.

Desde o início do pontificado, o Papa Francisco tem sublinhado a importância de superar uma «cultura do descartável» e promover a «cultura do encontro», para se conseguir um mundo mais justo e pacífico. «Perante os múltiplos dramas que afetam a família dos povos - pobreza, fome, subdesenvolvimento, conflitos bélicos, migrações, poluição, desigualdade, injustiça, crime organizado, fundamentalismos -, a fraternidade é fundamento e caminho para a paz».

A sua mensagem destaca a importância de ser «solidário contra a desigualdade e a pobreza que enfraquecem a vida social. Apelou à compreensão para as relações homossexuais e para as pessoas divorciadas, alimentou o desejo de uma maior participação de leigos e das mulheres, pediu perdão por crimes sexuais de sacerdotes e iniciou a reforma do sistema financeiro do Vaticano, tudo questões que eram apontadas como as grandes fraquezas da instituição e que fez questão de esclarecer, em vez de ignorar.

O estilo do novo papa é caracterizado pela humildade. Os apelos constantes à transparência e à coerência dirigidos para dentro da Igreja e nomeadamente para a Cúria Romana são sinal inequívoco de que quer promover as necessárias mudanças exigidas pelo Evangelho. Para além do seu carisma natural e da sua postura simples, Bergoglio tem captado a atenção de muitos, em diferentes grupos sociais, graças à sua posição perante a Igreja Católica.

O Papa Francisco não se considera nem pretende o estrelato, mas a verdade é que rivaliza em termos de popularidade com outros grandes líderes mundiais e famosos das mais variadas áreas. Desde a sua eleição, é seguido na rede social Twitter por cerca de 3,75 milhões de pessoas e já foi tema de oito milhões de tweets