Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qua | 29.01.20

Rui Pinto, denunciante ou criminoso?

narrativadiaria

img_817x460$2019_07_26_11_42_30_358124.jpg

Após fortes suspeitas da Polícia Judiciária, confirma-se que Rui Pinto é mesmo o denunciante do Luanda Leaks.

 

O hacker português que se encontra em prisão preventiva, desde março de 2019, está acusado pelo Ministério Público de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, sete deles agravados, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República, e posterior divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

 

Rui Pinto pode enfrentar uma pena de prisão em Portugal por crimes que ajudaram a desvendar a corrupção que assola o mundo do futebol e os negócios de Isabel dos Santos. Mas enquanto no nosso país há a ideia generalizada de que o português é um hacker, a opinião pública e a imprensa internacionais dividem-se: Rui Pinto é um criminoso ou um whistleblower(denunciante)?

 

Miguel Sousa Tavares garantiu, no Jornal das 8 da TVI, aliás como Ana Gomes vem defendendo, que não entende qual a razão por que o Ministério Público teima em ter Rui Pinto preso preventivamente há quase um ano por um crime cuja pena máxima nunca poderá superar os cinco anos. «Há tantos criminosos à solta em Portugal por crimes graves, porque é que o Rui Pinto está em prisão preventiva? Rui Pinto devia estar a dirigir investigações na PJ e ser condecorado no 10 de junho», sublinha o comentador da TVI.

 

Não sei se Rui Pinto ficará para a história como um pirata informático que furta, visando o seu próprio enriquecimento; ou um denunciante, que se propõe, tão só, patentear atos ilícitos de interesse público sem qualquer intenção de enriquecimento pessoal à custa de informação furtada? Não sabemos, mas o que importa é a leitura que a justiça portuguesa fará dos factos.

 

Contudo, tenho para mim que se Rui Pinto fosse apenas um simples denunciante teria dado conhecimento das suas descobertas á PJ e à justiça e não tentaria usar essas mesmas descobertas em benefício próprio ou de outros da sua simpatia.

 

A investigação dos documentos do Luanda Leaks vinda a público foi um contributo importante, porém tal não nos pode fazer desviar a atenção de questões factuais como os crimes pelos quais Rui Pinto está indiciado.

 

Por isso, julguem Rui Pinto pelos crimes que ele possa ter cometido, mas não desvalorizem o que ele revelou ao mundo, que não foi coisa pouca!