Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Sex | 04.10.19

Sondagens das Legislativas

original.jpg

Todas as sondagens indicam que o PS vencerá as eleições legislativas, mas não chegará à maioria absoluta. A sondagem Expresso/SIC, por exemplo, realizada pelo ISCTE e ICS, mostra que os socialistas têm vindo a perder eleitorado desde setembro e prevê-se que possam chegar aos 38%. Contrariamente, o PSD tem vindo a recuperar pontos desde essa altura e prevê-se que chegue aos 28%. Recorde-se que há cerca de um mês, os dois partidos estavam separados por 19 pontos, mas essa distância encurtou-se e é agora de 10 pontos.

 

Olhando para o número de deputados, os socialistas poderão alcançar mais 19 deputados do que os sociais-democratas. A vitória, mesmo assim, é clara: se tiver 38%, o partido socialista ganhará mais 18 representantes no Parlamento do que na anterior legislatura.

 

A CDU pode alcançar 0s 7%. A confirmar-se seria um péssimo resultado, mas não inédito, já que em 2002, com Carlos Carvalhas, ficou-se pelos 6,9%.

 

As sondagens são animadoras para o BE, apontam para os 10%, parecendo quase certo que conseguirá um terceiro lugar, com um resultado semelhante ao que obteve, quer nas últimas europeias (9,8%), quer nas legislativas de 2015 (10,2%).

 

De acordo com esta sondagem, o partido de André Silva foi o que mais subiu, registando 3% das intenções de voto. O PAN, que elegeu um deputado pela primeira vez há quatro anos, pode triplicar ou até quadruplicar o seu grupo parlamentar de acordo com estes dados, pode ficar com dois (no mínimo) e quatro (no máximo) de mandatos. O distrito onde é mais forte é Lisboa, mas tem possibilidades de eleger também no Porto e em Setúbal. Em sentido contrário, o CDS-PP mantém uma tendência de descida, que se verifica desde setembro. O partido de Assunção Cristas regista agora 5% das intenções de voto, podendo ainda descer mais.

 

No que diz respeito aos partidos que esperam uma oportunidade de chegar pela primeira vez à Assembleia da República, os mais bem colocados na projeção nacional são o Aliança de Pedro Santana Lopes e o Livre de Rui Tavares. O Iniciativa de Liberal de Carlos Guimarães Pinto e o Chega de André Ventura estão mais abaixo (0,9%).

 

Mas como sabemos nada está decidido, sondagens são isso mesmo, estimativas. Valem o que valem. Por isso, ide votar no dia 6 de outubro!