Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

05.03.19

Um saco sem fundo

  O Novo Banco pediu uma nova injeção de capital de 1149 milhões de euros, o que levou o Ministério das Finanças a requerer uma auditoria face ao que considera ser um «valor expressivo» das perdas registadas. Mais de metade deste valor resulta de perdas verificadas nos ativos problemáticos herdados do BES, sendo que 350 milhões de euros devem-se a exigências do regulador. A instituição registou em 2018 um prejuízo consolidado de 1.413 milhões de euros, menos 38,5% do que (...)
02.04.17

Cristas critica venda do Novo Banco à Lone Star

  A presidente do CDS-PP criticou a venda do Novo ao fundo norte-americano Lone Star, por «não ter atingido nenhum dos objetivos a que se propôs».   Na perspetiva do CDS o Governo falhou em toda a linha nesta matéria dado que «não vendeu o banco na sua totalidade como se tinha proposto, vendeu apenas 75% e não encaixou um cêntimo sequer para o Fundo de Resolução»   Que desplante! Quando a própria confessou, não há muito tempo, que aprovou um decreto-lei, a pedido de (...)
17.03.17

Cristas assina de cruz a Resolução do BES

Assunção Cristas faz revelações surpreendentes sobre o BES, admitindo que o assunto «nunca foi discutido em Conselho de Ministros com profundidade». «O Conselho de Ministros nunca foi envolvido nas questões da banca», defende Assunção, que diz que esse princípio afastou das reuniões do Governo temas como o BES, o Banif ou a capitalização da CGD, dado que Passos Coelho sempre achou que estes assuntos deviam tratados pelo Banco de Portugal, o qual  tinha as funções de (...)
19.02.17

As quintas feiras de Cavaco

  Não li o livro de Cavaco Silva, nem tenciono ler, mas a julgar por alguns excertos que vão saindo na imprensa, são ilustrativos e demonstram bem o carácter do seu autor. A começar pelo título: «quinta-feira e outros dias».   Cavaco igual a si próprio. Vingativo, mesquinho. O livro não é mais do que um ajuste de contas camuflado com Sócrates.   Segundo a imprensa, Cavaco descreve as reuniões sonolentas com Mário Soares; os reiterados atrasos de Sócrates, em quem Cavaco (...)
16.09.15

Adiamento da venda do Novo Banco

O Novo Banco foi posto à venda e o Banco de Portugal identificou três compradores, sendo que as negociações com os chineses da Anbang que apresentaram a proposta mais vantajosa, terminaram sem acordo. Os chineses da Fosun e os americanos da Apollo eram outros potenciais compradores que estavam na corrida, mas, nos (...)
13.09.15

Subscrição pública para os lesados do BES

Ontem, em Braga, de visita a um mercado, em pré-campanha eleitoral, Pedro Passos Coelho viu-se cercado por uma manifestação de lesados do BES. Primeiro ainda tentou explicar que aquele não era problema do governo que não estava ao seu alcance tomar medidas para minimizar as perdas daqueles pequenos aforradores e que (...)
30.05.15

A recondução de Carlos Costa

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal (BdP) desde 2010, nomeado pelo Executivo liderado por José Sócrates, vai ser reconduzido no cargo, sem que os partidos com assento parlamentar tenham sido ouvidos. Compete ao governo escolher um nome depois de ouvir os partidos da oposição, não foi essa atitude de Passos Coelho, (...)
02.05.15

O primeiro-ministro elogiou publicamente Dias Loureiro

Tive que ouvir duas vezes pois não queria acreditar. Passos Coelho foi inaugurar uma queijaria industrial em Aguiar da Beira. De repente, olha, dá de caras com Dias Loureiro e, com o sentido de oportunidade que todos lhe conhecemos, diz o que lhe vai na alma a propósito desse «empresário bem-sucedido», que «conheceu mundo» e que nos ensina que para vencer na vida temos que ser «exigentes e metódicos». Ficamos, pois,  a saber que se quisermos vencer na vida e chegar longe, (...)
16.03.15

Cavaco antevê um crescimento de 2% da economia em 2015

Em mais um dos seus inúteis  passeios presidenciais, desta vez a Paris, Cavaco Silva não perdeu a oportunidade para mostrar porque é que a sua popularidade anda pelas ruas da amargura. Na verdade é escandaloso o grau de parcialidade deste Presidente da República. Ainda há poucos dias justificava as dívidas do primeiro-ministro com o «cheiro a (...)
14.03.15

Chega de conversa!

«Há expressões feitas para nos salvar e, no entanto, não lhes damos o devido valor. "Chega de conversa" é uma. Quando Passos Coelho, o tal do dedo em riste para o dever dos outros, foi apanhado a não pagar à Segurança Social, deu para uns bons serões de cavaqueira. Que não tinha consciência da obrigação, que quando soube (2012) pagou logo (...)