Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

12.07.17

Copy Paste

Hoje,quando discursava no Parlamento, aquando do debate da Nação, Passos Coelho usou várias passagens de uma publicação que o seu ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro havia postado, ontem, no Facebook, sem nunca citar o seu autor. Bem sei que Passos estava autorizado por Poiares Maduro a fazê-lo, porém, dado que o conteúdo do post (...)
24.04.13

Poiares Maduro causa incómodo no PSD

Poiares Maduro está a causar incómodo no seio PSD, informa hoje o DN. Na base  do mal-estar na Comissão Política Nacional do partido estará o facto de o ministro adjunto ter contactado, através do seu chefe de gabinete, vários líderes das comissões políticas distritais para encontros, sem consultar previamente o vice-presidente, Jorge Moreira da Silva.  
20.04.13

CONSENSO

Nos últimos tempos o Governo mudou de agulha. Seja por imposição da Troika, seja por influência do ministro Poiares Maduro que na ultima conferência de imprensa referiu por 12 vezes a palavra “consenso”, o facto é que parece existir uma maior predisposição do governo para dialogar com o Partido Socialista. Para o PS isso não passa de insistir numa política que os socialistas rejeitam. A novidade agora é querem fazê-lo com o consenso do maior partido da oposiçao, apenas (...)
19.04.13

Temos que fazer ouvir a nossa voz na Europa

Ontem, na TVI24, referindo-se à atual situação económica do País, Manuela Ferreira Leite defendeu que a «solução tem que ser forçosamente política». «Os países têm de ser capazes de fazer ouvir a sua voz nos Conselhos Europeus», por forma a obstaculizar a construção de «um projeto que pode conduzir a duas Europas: dos pobres e dos ricos». A antiga ministra considerou ainda que o “objetivo do défice” não era o mais importante nesta altura. «O pior de não estarmos (...)