Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativa Diária

Não escrever um romance na «horizontal», com a narrativa de peripécias que entretêm. Escrevê-lo na «vertical», com a vivência intensa do que se sente e perturba. Vergílio Ferreira

Narrativa Diária

Qui | 13.10.16

The Times They Are a-Changin!

narrativadiaria

 800.jpg

O Nobel de Literatura deste ano foi concedido ao cantor e compositor Bob Dylan. Em comunicado oficial a Academia Sueca afirma que o cantor recebe o prémio por «criar novas expressões poéticas dentro da grande tradição da canção americana».

 

Bob Dylan é o nome artístico de Robert Allen Zimmerman, nascido– compositor, cantor, pintor, ator e escritor norte-americano. Nascido no estado de Minnesota, em 24 de maio de 1941, aos 10 anos escreveu seus primeiros poemas e, ainda adolescente, aprendeu a tocar sozinho piano e guitarra.

 

Começou a cantar em bandas de rock, imitando Little Richard e Buddy Holly, mas quando foi para a Universidade de Minnesota em 1959, adotou a folk music, impressionado com a obra musical do lendário cantor folk Woody Guthrie. Em 1962, tinha lançado o seu primeiro álbum, Bob Dylan, seguindo-se outros, como Blonde On Blonde (1966) e Blood On The Tracks (1975), hoje reconhecidos como «obras-primas» dada a sua importância e genealidade.

 

Em 1966, publicou Tarântula, a sua única obra de ficção, que mistura poesia e prosa e reflete as mesmas preocupações artísticas de algumas das suas canções.

 

Em 2004, foi eleito pela revista Rolling Stone o sétimo maior cantor de todos os tempos e, pela mesma revista, o segundo melhor artista da música de todos os tempos, ficando atrás somente dos Beatles. Uma de suas principais canções, Like a Rolling Stones, foi escolhida como uma das melhores de todos os tempos.

 

A escolha inédita de Bob Dylan para o Prémio Nobel da Literatura de 2016 não foi pacífica estando a motivar as mais diversas reações nas redes sociais. Há comentários para todos os gostos: «Prémio Nobel da Literatura? Por acaso tenho todos os seus livros..». Ou seja, se por um lado existe quem ache que o prémio é totalmente merecido por considerarem as suas letras e composições fabulosas, outros porém acham que os tempos estão definitivamente a mudar.